quarta-feira, 31 de agosto de 2011

SAÚDE: Infertilidade Masculina, você precisa falar sobre isso.

Tem coisas que não dá pra deixar pra depois, falar sobre a infertilidade é uma delas. Apesar de um número interessante de pessoas que optam por não ter filhos é ainda maior o número daqueles que levam à risca a perpetuação da espécie. Mais do que uma “necessidade biológica”, procriar é, para muitos, manter-se eterno no outro ser que leva com ele um pouco dos genitores, é “nunca mais estar só” porque “filho é pra sempre”, é um ato de amor ao cônjuge, é tão natural, tão sonhado desde os tempos da infância que pensar que isto pode não vir a acontecer provoca medo, frustração e infelizmente e principalmente a falta de coragem de tocar no assunto. Para nós da MENSCH, conhecimento é a base de tudo, inclusive da cura para a infertilidade, por isso essa matéria especial sobre o assunto em parceria com o Vida - Centro de Fertilidade da Rede D’Or, através da Dra. Maria Cecília Erthal, especialista em reprodução humana assistida e diretora-médica do Vida.

Causas da infertilidade nos homens

Varicocele – é uma doença causada pela herança genética. Ela provoca a dilatação das veias que drenam o sangue dos testículos, devido a uma disfunção no sistema circulatório. A má circulação sanguínea provoca aumento na temperatura da bolsa testicular e pode causar a diminuição do saco escrotal, comprometendo a qualidade do sêmen. Infecções – as mais conhecidas são a clamídia e gonorréia, que comprometem diretamente o sistema reprodutivo dos homens e são sexualmente transmitidas. Geralmente atingem a uretra e podem afetar também testículos e próstata, por exemplo. O tratamento deve envolver o casal.

Profissões – Pedreiro, engenheiro, químico e pintor. Essas são algumas profissões que trabalham em ambientes adversos à saúde reprodutiva por estarem em contato com substâncias químicas, altas temperaturas, radiação, solventes orgânicos etc. Um acompanhamento clínico para verificar a qualidade do sêmen é aconselhado.
Hábitos saudáveis – manter hábitos saudáveis pode ajudar na qualidade do sêmen. O consumo de álcool e tabaco pode comprometer o deslocamento e concentração dos espermatozóides. Além disso, usar computadores portáteis no colo pode aumentar a temperatura dos testículos, prejudicando o sêmen.

Traumas – qualquer abalo físico que envolva os testículos ou a via seminal pode gerar anticorpos que combatem os espermatozóides. O resultado é uma alteração no comportamento do sêmen.

Azoospermia – é a ausência de espermatozóide no sêmen. Cerca de 20% dos homens inférteis são azoospérmicos. As principais causas são falência dos testículos ou ausência (leia-se também bloqueio) dos vasos encarregados de levar os gametas masculinos ao meio externo.

Ejaculação retrógrada – durante o orgasmo, o sêmen é lançado pela uretra para fora do corpo. Na ejaculação retrógrada, esse conteúdo é levado para a bexiga. Na diminuição ou ausência de esperma no momento do orgasmo, um exame de urina é feito após a ejaculação para diagnosticar se há espermatozóides.

Tirando causas genéticas e doenças, outros fatores influenciam para que haja infertilidade no homem hoje em dia (ver Box), mas como se precaver desse mal? Conversamos com Dra. Maria Cecília Erthal que nos explicou que há fatores que podemos evitar como o tabagismo e a obesidade, e outros fatores como traumas, que algumas vezes fogem à nossa proteção. Algumas pessoas trabalham com substâncias químicas que podem levar à infertilidade e neste caso o uso de equipamento de proteção individual seria uma forma de se preservar. Infecções também podem levar à infertilidade, incluindo algumas infecções venéreas e neste caso o uso de preservativo protege também o homem. Doenças adquiridas como a varicocele pode também levar a uma alteração na produção do espermatozóide. Além disso tudo, o aumento de câncer testicular, nesses casos recomenda-se o congelamento de sêmen para que no futuro se faça o tratamento utilizando esse material.

“O estilo de vida e a exposição à fatores externos são os piores inimigos, ao mesmo tempo que ganhamos uma vida mais cômoda, a modernidade piorou a qualidade de nossa alimentação, sem contar a falta de exercícios físicos. Mas os exercícios físicos também devem ter qualidade, não se deve buscar um corpo atlético com o uso de anabolizantes, pois esses também prejudicam diretamente a produção de espermatozóides”, diz Dra. Maria Cecília. A idade é um fator que pose pesar em alguns casos. Segundo Dra. Maria Cecília, tal como a mulher tem a menopausa, o homem também possui a andropausa, contudo a idade de entrada na andropausa é muito diferente entre os homens, e geralmente ocorre mais tardiamente do que nas mulheres.
Sabe-se que homens mais velhos possuem maior percentual de fragmentação de DNA espermático, e, por conseguinte uma pior qualidade espermática; não existe um consenso de qual é a melhor forma de tratar esses casos. Quanto à prevenção alguns grupos de pesquisa citam o uso de substâncias antioxidantes (vitamina C e E) como forma de diminuir a fragmentação do DNA. Segundo ela, atualmente se diz que 50% dos casais inférteis possuem fatores masculinos como um dos componentes da infertilidade, antigamente era aproximadamente 30%. Uma outra questão também é o diagnóstico, hoje em dia os homens procuram mais a causa, onde na década de 60 e 70 era comum culpar as mulheres, e assim também temos um aumento no número desses casos.

Uma boa forma de se prevenir desse problema é ter uma vida saudável. É a melhor forma de diminuir o risco da infertilidade, e caso seja essa sua preocupação o ideal é realizar um espermograma e ver se há alguma alteração. Caso tenha, é o caso de se procurar um médico especialista em reprodução humana ou urologista para orientá-lo melhor no que fazer.

Características sociais que atrelam a masculinidade ao poder de procriação terminam criando uma barreira para que muitos homens falem do assunto abertamente e procurem ajuda. “O primeiro passo é o diagnóstico, não se deve ter vergonha de investigar, a fertilidade socialmente está muito associada à idéia da virilidade e masculinidade, o que não é verdade. Um homem com infertilidade pode ser tão viril ou másculo como qualquer outro. A infertilidade é uma doença e só pode ser tratada se ela for descoberta. E no caso dos homens o primeiro passo é a coleta do espermograma”, diz Dra. Maria Cecília.

Segundo pesquisas, hoje em dia existem todos os perfis de pacientes, “desde pacientes jovens que nunca tiveram filhos com alterações, pacientes já com filhos e que agora estão com alguma alteração; pacientes vasectomizados que estão num relacionamento novo e querendo novos filhos; pacientes que possuem alterações genéticas familiares e que não querem passar essas alterações para seus filhos, etc”.

E o que muitos querem saber, se tem tratamento e qual o indicado. Para cada tipo de alteração do sêmen existe um tratamento específico, isso também dependendo se a parceira também possui alguma alteração. A reversão do quadro de infertilidade masculina na maioria das vezes pode não ser possível, mas pode-se evitar que ela piore. Em alguns casos o congelamento de sêmen é uma opção para aqueles onde haja um prognóstico de possível parada da produção de espermatozóides, e quando o homem quiser ter um filho ele poderá fazê-lo utilizando espermatozóides congelados.

Bem, agora é ficar de olho, afinal sobre infertilidade, você precisa falar sobre isso.

Fonte:
Vida - Centro de Fertilidade da Rede D'Or.http://www.vidafertil.com.br
Agradecimentos: Dra. Maria Cecília
Pedro Henrique Sant´Anna - Dona Comunicação
Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

Nenhum comentário:

Postar um comentário