quinta-feira, 28 de julho de 2016

CAPA: Saulo Meneghetti, revelação em "Escrava Mãe" é uma das novas descobertas da TV atualmente

Obstinado e sem medos de encarar novos desafios, o ator Saulo Meneghetti sempre respirou e transpirou arte de várias formas. Das artes plásticas à atuação como ator, Saulo atualmente tem se destacado por seu personagem Charles em “Escrava Mãe”, da Record. Conheça um pouco mais desse talentoso ator que está dando o que falar.

Pelo seu histórico você sempre gostou de artes, o que ela te desperta e o que você quer passar com ela? Seja nas artes plásticas ou como ator. A arte sempre esteve presente na minha vida, ela contribui ao meu ver, para uma melhoria constante e espiritualização do homem, ligando o pensamento, com os sentimento e a imaginação. Vejo nas artes um mecanismo regulador entre as comunicações internas sutis e contrastantes. Procuro despertar com as imagens, ao transportar para o campo de ação da humanidade, os desejos intensificados no mundo das ideias. A arte é o instrumento que uso para enfrentar os desequilíbrios da vida, procuro demonstrar com ela que, o ponto de partida para qualquer coisa sempre será a manifestação exterior do que se pensa.

Quando sentiu que ser ator era o que queria para você? Qual a lembrança mais positiva do início como ator? Essa vontade sempre foi perceptível, desde muito pequeno sempre disse que seria ator, gostava mais de assistir programas de bastidores de filmagens do que desenhos animados, ainda na infância montei o primeiro grupo de teatro da escola, me engajava bastante com esse universo. São muitas lembranças boas que trago desde o início, era o começo de um sonho, uma delas, foi com a primeira companhia de teatro que integrei, viajávamos com turnê de um espetáculo pelo interior de SC e uma das apresentações foi na cidade onde meus avós maternos moravam, foi uma alegria saber que estavam na plateia orgulhosos, hoje ambos já são falecidos.



Você já tem bons trabalhos no seu currículo, mas acredito que a grande chance tenha vindo agora com o personagem Charles de Alencastro de “Escrava Mãe” (na Record). Como você vê isso? Sem dúvidas esse é um dos trabalhos de maior destaque da minha carreira como ator, até o momento, fiquei imensamente feliz com o convite da emissora para dar vida ao Charles de Alencastro. Ele é um personagem a frente do seu tempo, seu modo de enxergar o mundo o colocará em meio a uma batalha com a sociedade escravista da Vila de São Salvador, essas batalhas farão com que o público se depare com questões discutidas em 1808 e que ainda apresentam resquícios em nossa sociedade contemporânea.

Seu personagem é revolucionário e tem grande peso na história. Como você encara esse trabalho e o que tem te trazido de gratificante? É gratificante dar vida a um personagem que, mesmo em uma novela que se passa em 1808, levanta questões atuais, é também uma forma de contribuir com as lutas pelos direitos humanos. Fazendo uma análise da época que se passa a novela em relação aos dias de hoje percebo que algumas coisas não mudaram, infelizmente ainda é presente em nossa sociedade a desigualdade social, a desigualdade em relação aos direitos da mulher, a discriminação racial e até casos de trabalho em regime de escravidão.

Fazer um trabalho de época é mais difícil? Que desafios tem trazido? Novela de época tem outra linguagem, fazemos uma verdadeira viagem ao tempo. A Record nos possibilitou um aprofundamento nas questões e costumes do século XIX, tivemos um preparo com acompanhamento de historiadores, palestrantes e pesquisadores especialistas sobre o tema central da novela e uma fonoaudióloga que nos orientou quanto ao linguajar utilizado na época, além disso, por meu personagem ser um abolicionista procurei me aprofundar em estudos relacionados a escravidão e o processo de abolição da escravatura.



No início da sua carreira você trabalhou como modelo. Foi algo que você procurou ou aconteceu por acaso? Que experiências positivas te trouxe? Foi algo que aconteceu bem por acaso, eu já era ator em Santa Catarina, mas quando cheguei em São Paulo ainda não tinha contatos nesse meio, o plano era conseguir um emprego em qualquer área enquanto estudava e me dedicava as artes cênicas, comecei receber convites para modelar e aceitei, no início foi a maneira de me manter na Capital. Ainda no Sul, antes da mudança pra SP, venci um concurso de beleza que também não planejei participar, fui inscrito por amigos e participei por pressão deles, não esperava isso.

Como bom catarinense que mora entre São Paulo e Rio, que manias traz para seu cotidiano? Acho que trago muitas características da região onde nasci, que fazem parte da minha criação. Talvez a mania mais forte que trago, quase que uma herança dos meus pais e avós, é o de tomar o bom e velho chimarrão, levo comigo onde vou, e acompanhado ou não, não fico sem, até nos bastidores das gravações levo a cuia e tomo meu mate.

O que a exposição da tv tem te trazido de bom e de ruim? De fato ficamos bastante expostos por conta da visibilidade do trabalho na TV, o bom é que isso abre novas portas profissionais, surgindo assim convites para outros trabalhos, se está no teatro a bilheteria aumenta, e assim por diante. Sem dúvidas, para o ator isso é importante. A parte ruim é quando a superexposição tenta invadir a vida pessoal, no entanto lido bem com isso, estou tranquilo e tenho minhas reservas bem definidas quando se trata desse assunto. Não faço a linha “intimidade na jacuzzi”.

O assédio aumentou de certa forma? O que te faria prestar mais atenção e querer conhecer a pessoa? Aumentou bastante, vejo o assédio como uma demonstração de carinho do público, reconhecimento pelo trabalho que desenvolvo, isso para mim é um estimulo. Procuro ser o mais próximo possível de meus fãs, faço questão, na medida do possível, de responder as mensagens que recebo. Educação e inteligência são caracterizas que me atraem, seja para qualquer tipo de relação, isso desperta minha atenção e a vontade de conversar e conhecer melhor o outro.

Quando não está gravando o que curte para se distrair? Tenho hábitos simples, sou muito ligado a minha família, embora estejam todos em SC, sempre que tenho uma folga na agenda procuro ir para o Sul, curtir a presença deles. Já em SP gosto de curtir minha casa, sou bastante caseiro, tenho me animado em experimentos na cozinha, descobri que sei cozinhar, em casa tenho meu atelier onde também divido os momentos de folgas com minha pintura, com a escrita e estudos. Gosto de receber os amigos e programações mais tranquilas.


Sabemos que você é bem engajado em campanhas solidárias e participa de uma instituição que cuida de crianças com câncer. Fala um pouco da importância disso tudo para você? Algumas pessoas costumam achar que as visitas e a atenção que disponibilizamos para, por exemplo as crianças em tratamento contra o câncer, é uma boa ação feita, discordo disso, vejo como uma troca, você da amor e recebe amor de volta, de forma genuína. Ver a luta das crianças pela vida, alguns tão novinhos que nem entendem direito o que está acontecendo, ver a garra das mães dessas crianças, sem dúvidas é uma injeção de estímulo à vida, faz pensar, mudar a postura sobre as coisas, reclamar menos, dar menos importância a coisas banais.

Fora a realização profissional, o que te faz ter mais satisfação? Sinto-me bem na presença de pessoas que amo e admiro, o convívio com minha família e meus amigos me traz enorme satisfação, por vezes até ficar só, gosto bastante da minha companhia e da possibilidade de refletir sobre mim e os outros. Gosto de ficar em contato com a natureza, passar um tempo no campo ou no litoral, esses são os refúgios que me revigoram e me satisfazem.

A época de modelo te deixou mais vaidoso do que a fama como ator? Como lida com vaidade? Existem vários tipos de vaidades. A vaidade física, ligada a aparência, nunca tive, na época que trabalhei como modelo isso sempre foi um problema pra mim, não tinha muita paciência, sou tranquilo com minha imagem, embora o ator também tenha seu corpo como material de trabalho, acredito que o modelo se prenda muito mais a preocupações desse tipo. Faço uso de recursos estéticos, mas com intuito de facilitar meu dia-dia, por exemplo, já fiz algumas sessões de aplicações de Laser, com isso não perco horas fazendo a barba. Vejo como praticidade. Minha vaidade é mais voltada ao resultado dos meus trabalhos, sou bastante crítico, gosto de ver um bom resultado no que faço, seja para emocionar o público, alegrar, fazer sentirem raiva ou fazer pensar. A vaidade de provocar sensações.

Até onde pretende que a arte de atuar te leve? Para o ator é gratificante ter o merecido reconhecimento por um trabalho bem feito, além do reconhecimento, acredito que uma das maiores vontades de todo o artista é nunca perder a oportunidade de se expressar, seja da maneira que for, atuando, pintando, cantando, dançando e esse é meu desejo, continuar meu caminho sendo o mais honesto que puder comigo mesmo e seguir vivendo de minha arte.



Fotos Nilo Lima / Direção criativa Marco Antonio Ferraz / Make up Marina Aletto
Cabelo Katia Erbas / Modelo Anna Thereza Souza 

Saulo usa looks Flower Homme, Anéis (acervo pessoal)
Ela usa look Valentino, camisa e faixa Flower Homme, Acessórios Saara 

Agradecimentos especiais Mônica Andrade e Luciana Sposito 

quarta-feira, 27 de julho de 2016

CUIDADOS PESSOAIS: Não basta ter barba, tem que cuidar! Siga nossas dicas e boa barba!

Já se foi o tempo em que usar barba passava uma ideia de descuido e sujeira. Hoje em dia usar barba está na moda e cada vez mais homens aderem a ela. Porém, usar barba requer redobrar os cuidados para manter o bom aspecto e a higiene 

Pois bem caro leitor, a barba está de volta! Seja ela cheia, rala ou aquela barba disfarçada propositadamente de desleixada. Prova disso foi a grande quantidade de astros de Hollywood desfilando os mais diversos tipos de barbas na cerimônia do Oscar desse ano. Encabeçados pelo galã Bem Affleck que desde as filmagens do seu filme Argo aderiu à barba no melhor estilo de barbão. Ou seja, ter barba hoje é Cult. Resultado, mais do que uma simples opção estética, a barba se transformou em um lema, onde milhares de fãs entoaram a expressão “faça amor, não faça barba”. Caiu nas redes sociais até que virou bordão. 


Com a volta dos barbados, a indústria de cosméticos e produtos envolvidos com o barbear está cada vez crescendo mais e aquecendo o mercado com novidades. A moda do homem com carão de homem tomou o lugar do homem com cara de bebê e cada vez conquista novos adeptos (ainda mais agora depois dos barbados do Oscar). Ainda sobre o mercado de cosméticos masculinos, dados recentes de 2011 apontam um crescimento de 15% em relação ao ano anterior, de acordo com a Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos). E metade do faturamento deve-se a esse tipo de produto, segundo outra pesquisa, do instituto Euromonitor. As novidades não param de chegar ao mercado, com texturas diferentes de espuma, óleo e gel refrescantes à base de menta, só para citar alguns. Nos EUA, cosméticos voltados para os barbudos estão surgindo cheios de novidades como loções condicionadoras e óleos hidratantes. 

CADA UM NO SEU ESTILO

Tem produtos e formas de usar barba para todos os gostos. Se você não adepto ao estilo Argo de Bem Affleck, aquela barba desleixada também está valendo. Deixa eu repetir, “barba disfarçada propositadamente de desleixada”, ou seja, ela não é naturalmente desleixada, ela é milimetricamente calculada para parecer ser e assim deixar você mais charmoso e com jeito de descolado. "Pêlos longos precisam ser aparados uma vez por semana. Deve-se também barbear as regiões onde os pêlos não devem crescer, como no pescoço e bochechas, em intervalos de um dia, para ter uma barba bem esculpida", explica Adriano Chagas, do salão Care (RJ). Mas não basta só deixar a barba crescer e achar que tá abafando. Segundo os especialistas para fazer esse look a barba deve ser aparada regularmente, deve acompanhar a linha da mandíbula e ir somente até o “pomo de adão”. A barba deve estar um dedo acima dele, podendo eliminar com máquina ou gilete os fios que ficam abaixo dessa marca.

O pescoço deve estar livre de pelos e apenas a parte de baixo do queixo por fazer. Ter o equipamento certo também é fundamental para aqueles que não têm tempo de ir regularmente ao salão ou barbearia. É preciso prestar atenção às laterais do rosto, ao contorno do pescoço e ao comprimento geral da barba. Se o bigode entra para compor o visual da barba, ele também deve ser aparado periodicamente na linha do lábio superior. Nunca apare a barba com ela molhada, pois ela encurta quando seca, podendo ficar bem diferente das suas intenções iniciais. Você também pode usar máquina para aparar a barba, isso pode deixá-la mais uniforme, inclusive. O tamanho recomendado para o comprimento da barba está entre o pente 1 e 2 da máquina, mas isso pode variar de acordo com seu estilo. 

No mercado existem várias opções de aparelhos e kit completos (ver box abaixo) com tesoura e navalha que ajudam também na hora de aparar e fazer a manutenção dos pelos. Os preços variam, mas a média é de R$ 75,00. O estilo fica melhor em rostos quadrados, mas respeitando contornos e formas todos podem usar o look “cowboy”, que além de charmoso retrata muito bem a virilidade masculina.

O que muitos homens não sabem é que assim como os cabelos das mulheres ajudam a valorizar traços e disfarçar imperfeições eles também podem e devem usar a barba com os mesmos objetivos. Por exemplo, quem tem o queixo muito pequeno ou aquela papada indesejável tem na barba cerrada uma grande aliada pra ninguém perceber. Rosto tipo lua cheia ou bolacha, aquele redondinho, sabe? Parecerá mais afinado com uma barba por fazer de uns três dias, gostou da dica? Então acompanhe esses exemplos:

Mas o cuidado com a barba vai além do corte, passa também por uma boa esfoliação seguida de hidratação. A esfoliação ajuda a desencravar os pelos e deve ser feita pelos menos uma duas vezes por semana proporcionando uma aparência sempre jovem.

A hidratação ajuda a manter a elasticidade da pele e previne o ressecamento. Existem diversos produtos e para fazer a melhor escolha é sempre bom consultar um dermatologista. Para ajudar na escolha do melhor formato para a sua barba e acertar no estilo, a MENSCH conversou com um especialista no assunto, o técnico da Gama Italy, Augusto de Moraes

Já se foi a época que os homens usavam aquela barba farta, hoje em dia parece que a barba mais rala pegou de vez. Existe alguma razão para esse modismo? Hoje as inúmeras clínicas beleza masculina e a moda mais style  dos desfiles ditam estas tendências de moda mais despojada.

Como deixar a barba sempre mais baixa e ficar na moda? Existe alguma técnica especial? A barba precisa ser aparada de 3 em 3 dias, durante banho para melhor  contato do aparelho com a pele. 

Existe algum corte ou formato especial que esteja mais em moda? Sim, dois  modelos,  costeletas e barba juntas, - Barba apenas  na parte inferior do rosto e a barba bem aparada, que fica muito bem em todos e nunca sai de moda.

Qual o passo a passo da barba feita com a máquina? O parelho compõe vários pentes variando de altura, no início use o pente mais alto para aparar, finalize com o pente com  menor altura ara complementar o corte e para acabamento use apenas a lâmina sem acessórios. A máquina  também é ideal para os iniciantes  porque propõe segurança e tempo para ir verificando  se o corte está saindo como o planejado.

Existe algum produto de higiene ou cuidado especial que seja indicado para uma barba bem cuidada? Usar esfoliante leve 1 ou 2 vezes na semana ajuda  a manter o corte, desobstrui os poros facilitando a retirada do pêlo, e vale passar mais de uma vezes a lâmina no mesmo local. Hidratar após o corte e usar sempre produtos específicos para o seu tipo de pele. 





DICAS MENSCH

- Rosto redondo: Manter a barba sempre aparada para evitar ficar com um rosto muito grande.

- Homens com barba “rala”: É preciso ficar atento ao comprimento não muito longo para não aparecerem as falhas e não muito curto para não ficar com a impressão de “cara suja”.

- Cavanhaques: Funcionam bem para todos em especial para os que têm um rosto quadrado e vale lembrar que qualquer volume serve também para aumentar as proporções do rosto.

- Lave sua barba: Quando for lavar o cabelo, lave também a barba com shampoo e condicionador, afinal ela não deixa de ser uma extensão do seu cabelo, exigindo os mesmo cuidados. Você pode penteá-la depois para desembaraçar deixá-la “arrumadinha”.

- Homens com pouco queixo: Devem utilizar a barba de forma a criar  ilusão de um rosto mais alongado.

- Coceira: Uma reclamação de quem deixa a barba crescer é a coceira que ela provoca no rosto. De fato, o rosto precisa se acostumar com o crescimento dos fios, essa coceira é normal. Mas para amenizá-la, lave a barba com água fria, isso é bom para retirar o suor que pode também estar contribuindo com a coceira.






Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter, Instagram e Facebook: RevMensch

terça-feira, 26 de julho de 2016

ESTILO: Tudo o que você gostaria de saber sobre terno

O terno está para o homem assim como o vestido de gala está para a mulher. Uma gravata faz um homem se sentir tão poderoso quanto uma mulher em salto 15. Não importa se é gordo, magro, alto ou baixo, um terno imprime elegância, status, masculinidade e atrai os olhares femininos. Mas para fazer bonito mesmo dentro de um terno há várias considerações a serem feitas para que a peça caia como uma luva para o homem que usar. Por mais que se fale sobre o assunto sempre existem dúvidas, e pensando nisso a MENSCH resolveu fazer esse guia completo sobre ternos. Para isso fomos atrás de solucionar as dúvidas mais comuns dos homens. 


OS MAIORES ERROS NA HORA DE USAR UM TERNO
Começando pelos erros... O maior e mais notável erro é no tecido e no tamanho. A dica é a lã, desde que a trama do frio seja adequada ao clima do lugar. Quanto as medida, o caimento tem de ser perfeito, por isso tem de estar atento na altura do punho, bainha, encaixe de colarinho e de ombros. A meia é outro item que não deve ser esquecido. É preciso lembrar que ela deve ser uma extensão da calça ou da camisa e não deve contrastar com a cor da calça. Seguindo estas regras você estará sempre bem vestido independente da label que esta usando.

NA HORA DA COMPRA
São três itens que devem pesar na hora da compra: o corte, sempre pensando no caimento; a composição do tecido, e aí vale a dica de que quanto mais sintético for o tecido, menor qualidade, conforto, durabilidade e impacto visual e claro, o acabamento. A diferença de acabamento fica por conta do forro na parte interna frontal das pernas, esse detalhe proporciona conforto e proteção. Quanto ao acabamento é fundamental observarmos detalhes visíveis que fazem a diferença no decorrer do uso. Forro na parte interna, frontal das pernas, proporciona conforto ao caminhar e protege a pele da fricção direta com o tecido.

Combinações que dão certo
- Eventos sóbrios pedem cores discretas, eventos informais, cores mais alegres;
- Modelo de corte slin sem gravata se torna chic e despojado.
- Terno com uma malha básica de manga curta ou até mesmo longa e um mocassim.

Combinações que são um desastre
- Cores fortes em todas as peças
- Diferenças nos fios
- Evento formal com proposta de look casual
- Modelo apertado que marca a barriga ou comprometa o caimento e o movimento dos braços;
- Modelo para um tamanho diferente de quem tá vestindo


A GRAVATA
Na hora de escolher a gravata fique atento à harmonia do conjunto e a sua própria personalidade, não use gravatas divertidas se esse não for seu estilo. A gravata pode combinar com a camisa, se o look for mais clássico e com o terno se a ideia for se sentir mais seguro e não chamar atenção. Os mais descolados podem fazer sobreposições e contrastes de cores. No verão e quanto mais informal for a ocasião. A melhor a pedida sem gravata é um modelo de corte slim, se torna chic e despojado. Já em ocasiões onde a mesma não é exigida, viagens, passeios, festas... Podemos usar um terno com uma malha básica de manga curta ou até mesmo longa e um mocassim. Em casos de trabalho o mesmo define a necessidade.





OS BOTÕES

Se você tem dúvidas quanto ao número "certo" de botões de um terno a dica é simples, quem dita a quantidade é a moda da época. Atualmente a pedida é o terno de dois botões.

Um botão fica mais moderno, porém tem prazo de validade e pode não cair bem para os mais gordinhos; três botões são para um visual mais clássico e quatro em modelo transpassado, fica muito bem porém extremamente clássico, neste caso tem a opção de um corte slin propondo um visual clássico renovado.

O MODELO QUE SE DEVE TER NO ARMÁRIO
A tendência atual nos apresenta ternos de dois botões com o paletó mais curto que os habituais e lapelas mais finas. As calças estão sem pregas, mais justas e a bainha mais curta. O resultado é uma silhueta mais slim, tornando o homem mais alto e magro consequentemente mais elegante. Para os mais práticos e objetivos, um cinza médio ou grafite de lã em 2 botões já é uma boa garantia de sucesso.




TERNO DE TRABALHO
A dica básica para quem precisa usar terno no trabalho é: escolha sempre algo que combine com sua personalidade, com o posto ocupado na empresa e como são as regras da empresa que você trabalha. Respeitar o que exige o traje da profissão é essencial e vai garantir o emprego. Algo que é fundamental em qualquer caso é saber as medidas corretas. Sem isso, não há combinação de cores certa que sustente um look adequado. Além disso é estar adequado ao tipo de profissão e ao que ela exige, arriscar em cores, cortes ou tendências ultra modernas, por exemplo, cabe apenas aos profissionais da moda ou do "red carpet". A informação esta aí para todos, temos muitas opções, muitas revistas com editoriais que ensinam as combinações melhores para cada um e cada ocasião. Mas basicamente a coordenação de cores e padrões, além da medida adequada para o seu biotipo, pois são detalhes que conferem bom gosto, sofisticação, informação e elegância. Fica a dica: Escolha sempre algo que combine com sua personalidade, com o posto ocupado na empresa e como são as regras da empresa que você trabalha.

O "PRETINHO BÁSICO" MASCULINO
O terno preto, mesmo parecendo básico, também tem suas peculiaridades. Por ser básico pode ser usado em qualquer estação, contudo deve-se levar em consideração o tipo de tecido. No Brasil, por exemplo, não faz sentido ternos com a tradicional lã européia, que apesar do caimento perfeito, não se adéqua ao clima dos trópicos.

Para os latinos o ideia é a lã fresca, e a gabardine,chiques e funcionais. Falando em lapelas No terno preto,  são detalhes que ajudam a mudar o estilo facilmente. As lapelas pontudas sugerem ao mesmo tempo nobreza e modernidade já as médias são aceitas em todo lugar e as estreitas melhor evitar pois farão parecer que  você está usando um smoking antiquado. Quanto a camisa, o par perfeito ainda é a de cor branca, mas você pode variar com outras cores desde que sejam suaves.

Bem, basicamente o que podemos dizer é que para não ter erro, a dica é adequar o seu estilo e biotipo ao que a moda do clássico pede. Com essas dicas e sugestões não tem erro. E caso tenha, é só nos escrever: revistamensch@gmail.com.br

segunda-feira, 25 de julho de 2016

FOTOGRAFIA: Atletas tiram a roupa para a "The Body Issue" 2016


Em ano olímpico o esporte está ainda mais em evidência, ainda mais para nós do Brasil que vamos sediar os jogos de 2016. Anualmente (a ideia começou em 2009), a revista gringa ESPN lança a esperada edição especial “The Body Issue”, que reúne um time de atletas de diversos esportes para estrelar uma série de fotos onde a nudez de seus corpos está em evidência. A beleza do corpo humano em sua plenitude muscular é algo que chama atenção desde a existência com esporte, dos Deuses do Olimpo às Olimpíadas modernas, é o corpo em plena evidência. Neste ano, um dos destaques foi Emma Coburn, norte-americana que é musa das corridas de obstáculos e o ex-atleta de saltos ornamentais Greg Louganis, que nas Olimpíadas de Seul bateu a cabeça na ponta da tábua de madeira em um dos saltos.  




Para a edição 2016, a revista ESPN selecionou 19 atletas para posarem nus em diversos ambientes, enquanto praticam o esporte no qual alcançaram sucesso. Essa edição conta com a presença dos jogadores de futebol americano Von Miller, Vince Wilfork e Antonio Brown, a surfista Courtney Conlogue, a atleta de corrida de obstáculos Emma Coburn, o nadador Nathan Adrian, o piloto de motocross Ryan Dungey, o triatleta Chris Mosier, os atletas do basquete Elena Delle Donne e Dwyane Wade, a jogadora de futebol Christen Press, Nzinga Prescod da esguima, Adeline Gray da luta livre feminina, o lutador Conor McGregor, Jake Arrieta do baseboll, a paraatleta Allysa Seely, Claressa Shields do boxe feminino, April Ross do vôlei de praia e Greg Louganis dos saltos ornamentais. 









Confira aqui algumas das melhores fotos e acompanhe alguns dos bastidores dos ensaios pelo site oficial.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

CAPA: Gabriel Leone, o Miguel de "Velho Chico" conquista o público e a crítica com um belo trabalho


Quem vê o jovem Gabriel Leone enfrentando o Coronel Saruê com toda a garra e verdade na novela “Velho Chico” não imagina que o ator está em seu segundo grande papel de destaque na TV tamanho o desempenho e talento. Gabriel dá sinais explícitos que tem garra para ser uma promessa certeira de um ator promissor. Totalmente dedicado ao atual trabalho, Gabriel segue de forma simples sua vida. Sem se preocupar com fama ou badalações, prefere passeios culturais e companhia da família e amigos. Sorrateiramente vai construindo sua história e com o talento dramático que tem vai conquistando a todos, dentro e fora da TV.

Gabriel, o Miguel (de Velho Chico) é um cara arretado não é?! Como tem sido para você fazer esse personagem? O Miguel vem de uma linhagem de heróis do povo, de idealistas, e cada vez mais concretiza sua força. É um personagem com muitas camadas, que experimentou extremos emocionais. Todo dia um novo desafio, um novo aprendizado. É uma delícia!


O Miguel tem umas ideias empreendedoras que envolve técnicas agrárias avençadas que tentam unir o homem e a terra de maneira harmônica. Você já tinha se dedicado a esse tipo de assunto? Te despertou algo com esse personagem? Eu tinha a noção básica sobre as causas ambientais, o censo comum. Fiquei fascinado pela agricultura sintrópica a partir do contato que tive e virei um defensor dessas ideias. Com o aprofundamento, entendi a situação alarmante da natureza. Quando vi o estado do Rio Doce ao vivo, por exemplo, foi um choque.

Seu personagem é um difusor de novas ideias e pensamentos numa mídia popular como a TV. Essa também é a função do ator fora entreter. O que você quer com sua arte e até onde espera que ela te leve? Além de entreter, temos a possibilidade de gerar reflexão e de conscientizar. Espero poder sempre estar em projetos que acredito, falando sobre o que acredito.

Em seu segundo papel de destaque na TV, você já chegou com força dramática que poucos atores iniciantes conseguem. Como você encara isso? Que desafios isso te traz? Meu tesão como ator é poder viver outras vidas e as situações, às vezes não vividas por mim, dos personagens. Gosto de me mudar na composição e de extrapolar meus limites em cena.



Você acha que essa carga dramática você trouxe do teatro? Afinal foram mais de 10 peças até hoje. E olhe que você só tem 22 anos. O teatro foi minha base. Eu acho muito importante como exercício de reciclagem para o ator. Não consigo ficar muito tempo longe do palco.

Seu primeiro papel de destaque na TV foi na novela "Verdades Secretas", que abordava temas mais pesados como drogas e prostituição. Como foi na época encarar o Gui e seus dramas? Era um mundo desconhecido pra mim, foi um processo muito interessante. Passei um tempo em São Paulo, visitei escolas de classe alta, observei muito o sotaque e o comportamento dos jovens paulistas (ricos).



Saindo um pouco da TV, você participou do musical Chacrinha no teatro e no cinema encarnou o cantor Roberto Carlos. Como foi isso e no caso a música te ajudou nisso tudo? Foram experiências incríveis, sou fã do Roberto. A música foi fundamental como mais uma ferramenta pra compor o Rei em dois trabalhos tão distintos.

Voltando para o início, como foi seus primeiros passos? Sempre quis ser ator? Comecei por acaso. Subi ao palco aos 15 anos pra fazer um trabalho de classe, como Cazuza. Não desci mais. Amo minha profissão.

Desde a época de "Malhação" até "Velho Chico" percebe-se uma grande evolução no seu trabalho. Como você avalia sua trajetória? Me dediquei ao máximo em todas as oportunidades que tive e sinto que trago muito aprendizado de cada uma delas. Todas foram e continuam sendo muito importantes.


Quem foi ou é sua referência na carreira de ator? Alguém que você admirava como telespectador que hoje em dia se vê contracenando com ele(s)? Muitas referências! Nesse trabalho tenho a honra de contracenar com Irandhir Santos e Domingos Montagner. Wagner Moura, Selton Mello e Matheus Nachtergaele são grandes referências.

O Miguel tem um visual estiloso e você, qual seu estilo? Tem gostado do bigodinho do personagem? Eu sou simples, me visto de forma básica. Nunca tinha usado barba e gostei bastante.

Quando não está gravando o que curte fazer? Teatro, cinema e natureza. Com minha família e meus amigos.

O que mais admira nas mulheres? Gosto da simplicidade e da beleza natural.

O assédio tem sido diferente agora por conta de Miguel do que na época de Malhação? Como você lida com isso? Eu tenho trabalhado muito, andado pouco pelas ruas, mas recebo um carinho enorme pelas redes sociais. Não podia estar mais contente com a resposta do público com a nossa novela. Fazemos ela com muito amor.

Como você se vê daqui a 10 anos? Consegue imaginar algo? Espero estar feliz, como estou hoje, profissional e pessoalmente.



quinta-feira, 21 de julho de 2016

ESTILO: Biotipo masculino, fique bem vestido tirando proveito do corpo que você tem‏.

Alto, magro, gordo, barrigudo, perna curta, não importa, seja qual for o seu biotipo, há modelos e tamanhos de roupas que ao mesmo tempo que terão um bom caimento, ajudarão a disfarçar alguns “incômodos” que você possa sentir diante do espelho. O importante é não ter vergonha nem preguiça de provar roupas, ficar atento às dicas e ter paciência na busca pela numeração e tamanhos que muitas vezes não seguem um padrão ou mudam sem aviso prévio. Nesse quesito sair com uma boa amiga para as compras além de render bons conselhos e ótimas compras pode ser bem divertido.

OS TAMANHOS


Segundo a Associação Brasileira do Vestuário – Abravest, os tamanhos P, M e G, em breve deixarão de existir nas tags dos produtos, então caro leitor, acostume-se logo com isso. No lugar das letrinhas teremos medidas de acordo com os biotipos: normal, atlético e tamanho especial. Essas mudanças são fruto de uma longa pesquisa que buscou identificar os biotipos brasileiros e fazer ajustes para a elaboração de um padrão de tamanho para o setor de vestuário que respeite todos eles.

Todas as mudanças foram estudadas e estabelecidas através do envolvimento da Abravest e de vários representantes da indústria de confecção do país, mais de 2.500 empresas, incluindo os grandes magazines. Após 02 anos de implantação haverá fiscalização para que todos sigam as novas normas. Esse período se deve ao tempo necessário de ajustes para todos os envolvidos. O que você ganha com isso? A padronização permite que você compre sem erro caso não tenha tempo de experimentar por exemplo, evitando trocas e oferecendo mais conforto para quem veste. Hoje mesmo com as etiquetas marcando P, M ou G, ainda há diferenças de uma marca para outra, fazendo com que para uma peça você seja P e para outra G, por exemplo.

Essa mudança também permitirá aumento de vendas e satisfação nas transações via internet, afastando o fantasma da compra errada. O consumidor terá a traquilidade de saber que a roupa que está comprando lhe servirá bem, incluindo as compras em sites estrangeiros visto que um dos objetivos dessas reformulações é buscar melhor equivalência entre padrões de tamanhos também com outros mercados. Para que ninguém se perca na hora de fazer as compras, haverá campanhas de divulgação e esclarecimento para os consumidores finais e as lojas de departamento ou varejo multimarcas, deverão separar no PDV os produtos para cada um dos 3 biótipos.

NORMAL, ATLÉTICO OU TAMANHO ESPECIAL?


Como saber onde você se encaixa nessa nova padronização de modelagem?

Ainda seegundo a Abravest, será considerado normal o corpo masculino onde a medida do tórax e cintura são iguais ou muito próximas; já os atléticos são aqueles que apresentam a medida do tórax maior que a medida da cintura e os de tamanhos especiais possuem a medida da cintura  maior que a do tórax e as demais medidas em geral maiores que as medidas do corpo normal.

Com relação a estatura tem-se:


AS MÉTRICAS


Para chegar as novas normas e tags Normal, Atlético e Especial, as métricas usadas levaram em consideração várias tamanhos de diversas partes do corpo masculino.

- Para calças as medidas usadas para especificar os tamanhos serão: perímetro de cintura, comprimento entreperna e estatura.

- Os paletós e jaquetas usarão como referências, perímetro do tóra, perímetro da cintura, perímetro do quadril e estatura.

- Os ternos terão as medidas do perimetro do tórax, perímetro da cintura, comprimento interno da perna, perímetro do quadril e estatura.

- Já as camisas regatas usarão perimetro do tórax, perímetro do pescoço, comprimento do braço.



O CORPO E AS MEDIDAS
      
Bem, agora que você descobriu qual a medida do seu corpo e o equivalente a tag da roupa que você vai encontrar, seguem algumas dicas do que vestir para disfarçar ou exaltar o que você deseja, evitando calça pisada, jeans folgado na cintura e com espaço na perna para mais de uma pessoa.
 
FIT – é o caimento da roupa no seu corpo. Até todas as confecções estarem nas novas padronagens da Abravest vale a pena tirar um tempo para experimentar com calma as peças escolhidas, pois nada deve sobrar ou faltar pra que você possa ficar bem vestido;

Respeito ao biótipo – não se aprisione a moda, respeite o seu tipo físico e se vista de forma a valorizar o que você tem. Se a moda cair bem pra você, vai fundo, caso não, crie seu próprio estilo.

Com esses dois conselhos em mente, vamos às dicas:

ALTOS
Dificuldade: tamanho da camisa e da calça;

O que fazer: buscar a harmonia entre as partes dividindo o corpo em blocos.

O que usar no geral:
- Cores diferentes no mesmo look
- Sapatos mais "grossos" e com saltos altos - Dobrar a barra da calça pra fora (dependendo do local e ocasião)
- Gola careca
- Listras horizontais



BAIXOS
Dificuldade: sobra de pano; parecer ainda mais baixo.

O que fazer: alongar a silhueta através da monocromia (mesma cor ou da mesma cartela de cores)


O que usar no geral:- Listras verticais
- Usar o casaco ou cardigan aberto
- Calças mais justas (justas e não skinny)
- Sapatos com pontas
- Jaquetas curtas





TAMANHO ESPECIAL
Dificuldades: unir conforto, bom caimento e estilo.

O que fazer: Há lojas próprias para os tamanhos especiais com propostas muito além do preto que emagrece e claro, tirar o foco da barriga.

O que usar no geral:
- Listras verticais,
- Golas em V ou U
- Estampas neutras
- Combinar cores claras com escuras



Bem, seja você alto ou baixo, gordo ou magro, atlético ou não, o importante é você realçar suas qualidades físicas e andar bem vestido. Afinal, não precisa ser modelo de revista para ter um estilo adequado com seu físico. Saiba escolher o que melhor veste em você e faça sucesso.



Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no Face: RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

quarta-feira, 20 de julho de 2016

DESTINO: Os Encantos da Macedônia - Desbravando as terras de “Alexandre, O Grande”


Sempre gostei de desbravar novos destinos no Leste Europeu e a Macedônia foi o mais especial deles. Antes parte da Yugoslavia, o novo país ainda tem pouco destaque na Europa mas tem potencial para ser um dos melhores destinos do continente. Passamos mais de dez dias descobrindo esse belo país de carro, gastando pouco, e conhecendo algumas das paisagens mais bonitas que vi na Europa. 

A CAPITAL SKOPJE 

Começamos nossa viagem pela capital Skopje. A pequena cidade com pouco mais de quinhentos mil habitantes passa por uma reformulação arquitetônica faraônica. De olho em uma vaga na União Europeia, o presidente transformou o centro repleto de prédios dos tempos do socialismo em uma homenagem muito extravagante ao personagem mais famoso da Macedônia: Alexandre, O Grande. O projeto de urbanização é polêmico não só pelo fato de Alexandre ter nascido e vivido um pouco longe de lá, mas também pela fortuna gasta na construção de monumentos. Agora em sua fase final, essa obra, ao menos para os turistas, é bem interessante. Felizmente, em meio a museus excêntricos e estátuas colossais de heróis nacionais está o antigo distrito otomano que tem belas mesquitas e um fascinante bazar que funciona há séculos. 



Caminhar pela cidade é uma aventura antropológica. Em apenas um dia é possível desbravar o antigo bairro otomano, atravessar a ponte para o novo centro e conhecer os bairros residenciais mais afastados com memória viva dos tempos de socialismo. Apesar dos novos museus gigantescos, são poucos os turistas que visitam a cidade. O final da tarde é sempre o melhor momento para uma caminhada. Do alto das muralhas do antigo forte é possível ver o sol se pôr ouvindo o som da chamada para a reza muçulmana nas mesquitas. À noite, os bares da cidade ficam lotados. A preferência musical parece ser latina e muitos bares tem nomes cubanos e servem mojitos. A mulherada, que costuma ter mais de um metro e oitenta, vai a loucura quando toca Michel Teló. Felizmente, não é só a salsa que embala a Macedônia; a cena Rock local também é bem interessante, com bandas de qualidade tocando principalmente no Marakana, uma balada totalmente Rock & Roll no estádio de futebol da cidade. 

Antes de curtir a noite, vale começar escolhendo uma mesa na calçada em uma das muitas casas de kebab da cidade. Skopje é o lugar ideal para experimentar o churrasco de kafta servido com pão árabe e a salada batizada com o nome da cidade, que leva cubos de tomate e queijo de cabra ralado. É difícil resistir ao churrasco feito nas janelas dos restaurantes para atrair a clientela, mas depois de cinco refeições de kebab resolvi abandonar o bairro otomano em busca de novas opções gastronômicas. 

O LADO DE OHRID 

Deixando para trás a capital, seguimos rumo ao sul da Macedônia, onde fica o famoso lago de Ohrid, o principal destino turístico do país. A cidade de Ohrid é uma das mais antigas da região com belas igrejas bizantinas e ruínas romanas. O visual da cidade debruçada na montanha à beira do imenso lago de águas azuis-turquesa é um dos cenários mais bonitos que já vi. Ficamos hospedados em uma pousada familiar muito simpática com belas vistas do lago. A senhora Gordana, dona da pousada Villa Kale, nos recebeu como netos, e todos os dias nos servia um banquete no café da manhã com várias receitas locais deliciosas. Tivemos o privilégio de visitar Ohrid em outubro, longe da confusão do verão e com a temperatura ainda bastante agradável. A tranquilidade de Ohrid é contagiante. Vale a pena conhecer a cidade com calma e ver a vida passar em um dos restaurantes à beira do lago degustando suas deliciosas trutas. Alugar um carro é a melhor maneira de conhecer a região. Próximo à fronteira com a Albânia fica o belíssimo mosteiro de Saint Naum. Além de visitar o belo edifício histórico com as paredes da igreja pintadas com afrescos do século X, vale contratar uma canoa para conhecer uma das nascentes do lago Ohrid. A água brota do leito do lago, que é incrivelmente transparente. A estrada está repleta de mosteiros e vilarejos albaneses que, apesar de estarem do lado Macedônio da fronteira, exibem com orgulho a bandeira da Albânia. 



A NOVA KOSOVO 

De volta à Skopje devolvemos o carro e partimos para a grande aventura da viagem; conhecer Kosovo. Um dos países mais jovens do mundo, Kosovo foi notícia recente pelos anos da guerra sangrenta que arrasou o país. Hoje, em tempos de paz, ainda com a presença marcante dos capacetes azuis em algumas regiões, a capital Pristina vive um renascimento cultural interessante. A cidade respira os novos ares de paz e liberdade com deliciosos bares e cafés com mesas na calçada no novo centro de Pristina. Alguns desses são tão criativos quanto os que encontramos em Londres ou Berlim. As atrações turísticas são poucas; uma das principais é o monumento “New Born”, instalado para comemorar a independência de Kosovo. É fácil chegar a Pristina vindo de ônibus de Skopje. A viagem de duas horas e meia passa por vilarejos e memoriais remanescentes da guerra. O país recebeu uma boa injeção de investimentos da ONU e, apesar de ser um dos mais pobres da Europa, está se erguendo rápido. A memória do conflito recente ainda é presente. Alguns belos mosteiros ortodoxos Sérvios hoje são guardados pelas tropas de paz da ONU para evitar represália da população Albanesa que sofreu nas mãos de tropas Sérvias durante a guerra. Caminhe tranquilamente pelas principais avenidas de Pristina, que levam o nome de presidentes americanos. Apenas em Kosovo você poderá tomar uma cerveja na esquina da avenida Xhorxh Bush com a boulevard Bila Klintona.