sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

ESTRELA: Ana Carolina Dias, a "advogata" da novela Império

Quem vê a atriz Ana Carolina Dias na novela Império como a ambiciosa advogada Carmem não imagina o quanto ela é o oposto de sua personagem. Em comum só a sensualidade. Mas aí está o segredo do grande ator, ser alguém totalmente diferente de si e convencer muito bem disso. A “advogata” (como tem sido chamada) Carmem tem chamado atenção em todos os sentidos, mas Ana Carolina Dias já tem muita história para contar em outros diversos trabalhos que vão de apresentadora até a experiência em reality show. Se encante com as fotos e fique completamente fã com essa entrevista com nossa querida estrela.

Você é casada com um homem 28 anos mais velho, o que ele tem que os caras da sua idade não tem? Maturidade, experiência de vida. Sem querer generalizar, mas o homem maduro, tende a ser mais protetor, cavalheiro. Eu prefiro aqueles que ainda mandam flores.


Seu filho já tem 2 anos, no período da gravidez e até agora, como equilibrou a mãe e a esposa? Alguns maridos reclamam que suas esposas se tornam mães e esquecem de ser esposas... Cuidando do meu filho, cuido da minha família, cuido de nós; então nunca precisei me dividir entre pai e filho. A criança precisa de toda atenção e cuidado, assim como o casamento também. Tem que existir sintonia. A prioridade é o bem estar da minha família num todo. O que não pode faltar é amor. Com amor, tudo fica mais fácil.

Qual o look da sedução? Depende de cada um. Há quem se sinta super seduzido por um vestido justo, um salto alto e um belo batom; enquanto outros se sentem mais atraídos pela beleza natural, cabelos ao vento, pé no chão. Até mesmo um simples sorriso, enfim, uma mulher pode estar vestida com uma blusa de gola e manga comprida, e ser absolutamente sensual. Não é necessariamente o look que seduz, e sim um conjunto... O jeito, o olhar, o falar, o andar...



Na novela Em Família você foi uma “destruidora de lares” e agora em Império também se envolveu com um homem casado... Como julga suas personagens? Não me sinto confortável em julgar as personagens, porque estaria julgando as pessoas que agem como elas. Todos nós estamos sujeitos a erros, e além disso, temos que levar em consideração o passado dessas pessoas, e as circunstâncias... Como julgar a Cláudia (de Em Família), garota de programa? Eu não sei o que a levou a prostituição! Mesmo a Carmem, sendo tão egoísta como é, quanto amor essa mulher recebeu na vida? Talvez nenhum, e esse seja o motivo de ter se tornado assim. Enfim, Eu não me permito julgar, e acredito que isso me dê uma liberdade maior na evolução da trama.

Perdoaria uma traição? Acho que não conseguiria perdoar. A traição abala, fragiliza, desconstrói. Nunca mais é a mesma coisa.

A “advogata” Carmem não tem qualquer tipo de escrúpulo ou ética, já se deparou com gente desse tipo em sua vida pessoal? Já tive o desprazer de conhecer uma aprendiz de Carmem. (risos) Mas tem muita gente egoísta por aí, que não pensa duas vezes em dar uma rasteira em alguém.

Charme e sedução suas personagens já mostraram que têm de sobra e você? Toda mulher sabe ser charmosa e sedutora. É só querer! (risos).





Como vê as relações homem e mulher hoje em dia? Caso não fosse casada sentiria alguma dificuldade em ter relacionamentos ou tiraria de letra? Não está muito fácil encontrar uma pessoa bacana, que seja do bem, e queira assumir um relacionamento mais sério... Mas tem sim muita gente legal. É preciso selecionar, e não ter pressa! A pressa é inimiga... (risos). Até por que, antes só que mal acompanhado.

Conta pra gente sua experiência no reality show A Fazenda... Mudou algo em você ou na sua forma de pensar as relações pessoais, com a mídia e os fãs? Não mudou em nada na minha forma de pensar; só exercitei o que aprendi em casa: respeito ao próximo. A popularidade aumentou sim, bastante! Meus "fãs" são maravilhosos.

Quando quer seduzir e ser seduzida que música gosta de ouvir, e que coisas gosta que sejam ditas? A escolha da música depende do ambiente, do clima... E o bom papo é sempre bem-vindo.

Você já foi apresentadora, comparando com a carreira de atriz o que é mais difícil e mais fácil em uma e outra? Assim como em todas as profissões, as duas requerem dedicação. É preciso estar focado em seus objetivos e estudar.



Onde os homens costumam errar na conquista das mulheres e onde acertam? Depende da mulher... Não existe uma regra.

Ana Carolina se conquista com... Gentileza.

Manda um recadinho para os leitores e fãs... É um Prazer estar com vocês aqui na MENSCH, e espero que curtam nosso ensaio. Foi tudo feito com muito carinho. Beijos.

CRÉDITOS

Fotos Rodrigo Lopes
Direção Criativa e Produção executiva Márcia Dornelles - www.mdproducoes.com
Styling Gugu Ribeiro
Beauty Hugo Regis
Preparação de Cabelos - Martha Hair 

LOOK 01Brincos MARIA VALENTINA, Colar ARAMEZ, Anel MARIA VALENTINA,
Blaser DKNY, Hot pants ELOAH, Peep Toe LUANA JARDIM; LOOK 02Brinco ARAMEZ, Braceletes ARAMEZ, Body ELOAH, Peep Toe SCHUTZ; LOOK 03Brinco MARIA VALENTINA, Anel MARIA VALENTINA, Vestido ANGELIKA FAVORETTO, Sandália LUANA JARDIM

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

AVIAÇÃO: Gulfstream G650ER – O conforto agora vai mais longe

A Gulfstream, referência em jatos executivos de cabine média a grande, oferece ao mercado mundial a mais nova combinação de preço, desempenho e opcionais do seu segmento: O G650ER (ER é sigla para “Extended Range” que significa Raio de ação estendido), o mais novo carro-chefe, ou melhor, “jato-chefe” da empresa. Ele é também o jato executivo de maior alcance do mundo e proporciona alta flexibilidade no tocante ao tipo de missão para o cliente, podendo percorrer 7.500 milhas náuticas (13.890 km) a Mach 0,85, o suficiente para levar seus ocupantes de São Paulo a Moscou, Anchorage (Alasca) Dubai ou Canberra, na Austrália sem escalas! É claro que em viagens de tal envergadura, o conforto à bordo deve ser algo na categoria de sonho e é precisamente o que encontramos nele. 

Com um avançado projeto aerodinâmico, o G650 possui velocidade máxima de operação de Mach 0,925. Podendo alcançar a altitude máxima de 51.000 pés (15.545 m), o modelo consegue superar todo o tráfego aéreo pesado das rotas que ligam os grandes centros mundiais de decisão e também as condições meteorológicas adversas, com segurança e conforto. 

Esta nova versão foi anunciada em 19 de maio de 2014 e entrará em serviço no primeiro trimestre de 2015. Os atuais proprietários e detentores de pedidos do G650 poderão atualizar suas aeronaves para o padrão G650ER. Um novo centro de manutenção da Gulfstream em Sorocaba-SP, com estoque inicial de peças de U$ 8 milhões deve incentivar a venda dos modelos da marca no Brasil, que já conta com pouco mais de 40 aeronaves em circulação. Site oficial: www.pt.gulfstream.com

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

ESPORTE: Strike! O boliche renasce no Brasil como esporte e se firma como opção de lazer para todas as idades

Quem tem um pouco mais de idade, com certeza assistiu várias vezes à paixão de Fred Flintstone e Barney Rubble por um esporte bem peculiar, que os fazia se reunirem em confraria, deixarem as mulheres em casa e vestirem roupas e chapéus da equipe para competir em alto nível. Sim, eles jogavam boliche, com muito estilo e paixão. O boliche não é tão antigo assim como os Flintstone, mas há relatos de jogos similares no Egito, na Grécia Antiga e na Europa Medieval (mesmo que alguns fossem jogados com as cabeças dos inimigos mortos na guerra). O esporte moderno de que falamos vem sendo organizados por entidades na Europa e nos Estados Unidos desde o século XIX, numa tentativa de uniformizar regras, elevar o padrão de qualidade do jogo e torná-lo competitivo. Hoje, o boliche reúne mais de 100 milhões de praticantes no mundo, 10 milhões de competidores, já foi esporte de exibição nas Olimpíadas de 1988 e possui circuitos profissionais que pagam uma boa premiação em dinheiro aos competidores.

No Brasil, a febre do boliche aconteceu nos anos 1960 e reviveu seu auge nos anos 1990, quando foram abertos diversos locais para a prática do esporte, que também tinha um forte apelo para a juventude e logo se tornou um ponto de encontro para diversão e paquera. Ir ao boliche era um programa interessante no final dos anos 90, tanto para jogar quanto para encontrar os amigos, conversar e comemorar aniversários, por exemplo. O milênio virou e ao que parece o entusiasmo pelo esporte renasceu. Pistas de boliche se proliferam pelo Brasil e têm feito a alegria dos antigos praticantes (e dos novos também), além dos competidores do esporte da bola pesada.

O JOGO – As pistas de boliche medem cerca de 20 metros de comprimento e 1 metro de largura, ladeada por canaletas que são o verdadeiro terror dos jogadores. Qualquer imprecisão no arremesso pode significar a bola na canaleta e o triste fim da jogada sem nenhum ponto marcado. Os pinos medem até 50 cm de altura e estão dispostos num formato de triângulo, com o espaço entre eles milimetricamente medido para oferecer condições iguais para cada competidor.

As regras do boliche são simples e instigam os competidores a buscar a precisão nos arremessos, pois cada pino derrubado pode ser precioso na contagem final. O jogo é dividido em dez frames, que são as tentativas de derrubar os pinos. O jogador tem duas chances para derrubar os dez pinos de cada frame. Se conseguir na primeira tentativa, fez um strike, que vale dez pontos mais os pontos das duas jogadas seguintes, o que pode dar uma vantagem considerável. Se os dez pinos caírem só na segunda tentativa, valem os mesmos dez pontos mais os pontos da próxima jogada. Se o jogador não conseguir derrubar todos os pinos nas duas tentativas, terá um ponto para cada um que for ao chão. E assim vão, frame a frame, pino a pino, até fechar o placar e conferir quem marcou mais pontos.

No nível amador, pode parecer difícil derrubar todos os pinos. Já os competidores profissionais, que usam equipamentos diferenciados, bolas com peso e furos feitos sob medida, disputam cada centímetro da pista em busca do arremesso perfeito. Para eles, é comum a bola tomar um efeito, beirar a canaleta e acertar os pinos em cheio, tornando cada jogada única e emocionante.


Com o boom recente do boliche no Brasil, praticamente todas as capitais do país já contam com suas pistas, cada uma com suas vibe e design particular. O maior fabricante de pistas e equipamento para boliche é a norte americana Brunswick, que está presente em todo o mundo. Mais do que um ambiente de competição, os bowlings são projetados para garantir a diversão das pessoas, contando com iluminação, serviço de comidas e bebidas e espaço para convivência. O preço é bem acessível, podendo variar de R$ 75 a R$ 110 por hora, com espaço para até seis jogadores competirem. Cada vez mais o esporte tem se consolidado como uma boa alternativa de lazer.

Em São Paulo, três dos boliches que se destacam são o Villa Bowling, que fica no Shopping West Plaza, que possui 20 pistas totalmente modernas e possui uma equipe pronta para passar noções básicas para os iniciantes. Os preços variam de 76,00 a 156,00 reais, dependendo do dia da semana. Ou local bem disputado é o Dragon Bowling, no Shopping Center Norte. Com 24 pistas que podem receber até 144 jogadores, os valores vão de R$ 48 a R$ 84, e já incluem o utilização dos sapatos especiais para a pista. Por fim o Tiger Bowling, no bairro do Bom Retiro, possui 24 pistas e os valores vão de R$ 51 a R$ 81 a hora. Já no Rio de Janeiro um dos mais badalados fica na Barra da Tijuca e se chama Strike Boliche (Barra Shopping). Com vinte pistas automáticas e capacidade de até 250 pessoas, mesa de sinuca e videogames. Além disso, possui um restaurante com cardápio delicioso e diversificado, que vai desde sanduiches até pratos mais elaborados como massas, carnes e peixes. Na Zona Norte do RJ, o mais destaque vai para o Striker Casual Bowling, com incríveis 26 pistas e uma impressionante estrutura com 2700 metros quadrados. Os preços vão de R$ 40 a R$ 85, dependendo do dia.

Em Recife, funciona no Shopping RioMar desde 2012 o Game Station Bowling, com doze pistas com medidas oficiais e capacidade de receber até 4 mil jogadores por dia. Um número bastante significativo que mostra o potencial de mercado desse esporte. A capital pernambucana ainda conta com outro bowling no bairro da Torre, o Strike Recife, que também tem se destacado entre os participantes. Há ainda um terceiro espaço, este ainda não inaugurado, no Bairro do Recife, dentro do projeto de reforma dos antigos armazéns do porto.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

MUSA INTERNACIONAL: Naomi Campbell provocante e sexy em nova campanha de lingerie britânica

Conhecida por sua beleza e suas inúmeras campanhas publicitárias e capas de revistas ao redor do mundo, a supermodelo Naomi Campbell voltou a ser notícia nesse final de ano por conta da nova campanha da marca britânica de lingerie Agent Provocateur verão 2015. Nas fotos, feitas pela mestra da fotografia Ellen Von Unwerth, Naomi aos 44 anos mostra que está incrivelmente sexy e bela como gostamos de ver.

Num clima fetichista, todo inspirado em clássicos do cinema, como Bonnie and Clyde, e na estética de diretores como Quentin Tarantino e Russ Meyer, Naomi também ficou surpresa com o resultado e pelo convite, e declarou: “É incrível ser o rosto da campanha de verão 2015 da Agent Provocateur, especialmente aos 40".

Não foi à toa que Naomi foi escolhida para a campanha, como bem definiu a diretora criativa da marca, Sarah Shotton, era provar que as lingeries da marca podem ser usadas e apreciadas por mulheres de todas as idades. "Naomi e Ellen são perfeitas para o posto. Ambas possuem uma personalidade forte e individual. Escolhemos Ellen porque sua estética reflete o conceito sensual e misterioso que pensamos para a campanha. E a Naomi é simplesmente a melhor representação da mulher Agent Provocateur: espirituosa, deslumbrante e confiante.", finalizou.




segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

PALADAR: HOMEM NA COZINHA - CAIPIRINHA NO PRATO E NÃO NO COPO

O risoto, de origem italiana, é sem dúvida um prato altamente apreciado em vários países do mundo. A iguaria, úmida e cremosa, é uma típica representação da cozinha do norte da Itália, onde o termo é um diminutivo e significa “arrozinho”.

O RISOTO E A ARTE DOS VITRAIS

O conhecido Risotto alla Milanese, o mais famoso dos risotos, é obra do mestre Valério di Fiandra, que na época era responsável pela criação dos vitrais da Catedral de Milão. O prato, diz a lenda, foi criado durante uma festa de casamento, no ano de 1574. Fiandra, que era reconhecido tanto pelas suas belíssimas obras de arte quanto pelo seu bom gosto para a gastronomia, durante o casamento da sua filha, resolveu oferecer aos convidados um de seus pratos preferidos, o risoto. Porém, durante a preparação da iguaria, o mestre, por ser muito ciumento, deixou cair um pedaço de açafrão dentro da panela que nesta época era utilizado como corante para os vitrais, dando origem ao que hoje se conhece por Risotto alla Milanese.


Os sócios Marco Uchôa (Marc) e Luiz Felipe Azevedo (Louis), ambos com formação em gastronomia, resolveram levar praticidade e sabor à mesa dos pernambucanos com receitas originais sem conservante ou estabilizante químico nas preparações, preservando assim o real sabor dos pratos; como este cremoso Risoto de Caipirinha com File de Pescada laqueada no mel de Engenho

Essa receita inusitada traz a tradição Nordestina da cachaça para preparo no cozimento do grão conferindo um gostinho especial cítrico e perfumado, e para arrematar este delicia, uma porção generosa de queijo parmigiano reggiano dando uma cremosidade e suculência que contrasta com o mel e a leveza do peixe!





sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

ENTREVISTA: Diego Amaral chegou com força e determinação e marcou em Malhação

Diego Amaral é um típico exemplo de perseverança e dedicação quando se trata de realização profissional e carreira. Quase pendeu para a Engenharia Civíl, Diego viu na arte de atuar a sua verdadeira vocação e nela entrou de cabeça. Recém saído da sua participação em Malhação, Diego tomou gás e agora não para mais. Até por que a sua participação na novela não foi apenas mais uma, ele chegou chegando e mostrou à que veio deixando todo mundo (seja colega de trabalho ou fã) querendo um pouco mais daquele jovem ator que mostrou ter além de talento, muito carisma e profissionalismo. Conheça um pouco mais sobre ele.

Soube que você quase desistiu da carreira de ator e entrava para Construção Civil? Como se deu isso? O que era mais difícil nesse início? A carreira de ator é muito inconstante, cheia de altos e baixos. Mas ser ator sempre foi meu sonho e temos que lutar pelo nosso objetivo porque nada é impossível. Fiz um ano de faculdade de Engenharia Civil, em São Paulo, mas tive que trancar porque fui aprovado no teste de Malhação e me mudei para o Rio de Janeiro.


E por que Construção Civil? Algo tão distante da carreira de ator... Na verdade, a Construção Civil era o meu plano B, caso a carreira de ator não desse certo. Escolhi pelo fato de meus pais já trabalharem no ramo.

Quando você despertou que queria ser ator? Alguma referência? Tenho vários momentos que me despertaram e ainda despertam a vontade de ser ator. A capacidade de tocar o outro de alguma forma é uma das armas mais poderosas que temos em nossas mãos. Mas nunca me esqueço que quando eu era adolescente e trabalhava como modelo, uma pessoa do meio me perguntou se eu nunca tinha pensado em ser ator. Depois daquele dia, meu olho brilhava como nunca! Aí descobri que era um sonho e que sim, era possível.

Seu personagem acabou de se desligar da trama de Malhação. Como você avalia sua participação? O que ficou de mais legal? Mudaria algo? Eu faria tudo novamente. Claro que, à medida que gravamos, vamos descobrindo mais de nós mesmos e principalmente do personagem. As fichas vão caindo aos poucos. As cenas que gravei de ação, o reencontro dos irmãos, a emoção, tudo vai ficar sempre na minha memória.

Como você vê seu personagem Alan? Quais os conflitos e desafios desse personagem? Acho que o principal desafio para viver o Alan foi o fato dele ser considerado mau caráter, ambicioso, que tinha o sonho de ser campeão e ganhar muito dinheiro. Essas eram algumas das poucas características que sabia dele. Só ao longo da trama é que fui descobrindo o seu lado herói e bom moço. Então, para mim, o grande desafio foi o de mostrar quem era essa pessoa.


O Alan te trouxe para o muay thai, como o esporte tem sido importante para você? O Muay Thai tem me ajudado muito. Principalmente quando se fala da conexão corpo e mente, consegui encontrar meu ponto de equilíbrio e o carrego na minha vida.

Mesmo com o encerramento em Malhação a popularidade continua em alta. O assédio também? Como está lidando com tudo isso, que até então é bem novo para você? Realmente, tudo está sendo novo pra mim. Mas tudo é relativo porque o importante é manter a cabeça no lugar e ter foco em seus objetivos. Acredito que isso tudo seja resultado de um trabalho diário.

Você é um cara muito vaidoso? Como cuida da aparência? E como cuida do corpo e da mente? Acho que cuidado nunca é demais, porém na medida certa. Me preocupo com o meu corpo mas não sou paranoico com isso. Procuro estar sempre bem. A minha alimentação também é bastante saudável. Faço musculação, muay thai e gosto de andar de skate longboard.

Falamos em assédio, como você costuma “assediar”? Como é Diego na hora da paquera? Bom, o Diego na hora da paquera é um cara misterioso, sem muitas palavras e que começa tudo com uma boa troca de olhar (risos).

O que uma mulher precisa ter para chamar sua atenção? Fisicamente, um belo sorriso. Mas é preciso também ter um bom papo e humor.

O que elas ainda não sabem sobre os homens (mas que se soubessem iria ajudar muito na relação homem x mulher)? Que assim como a mulher, o homem também quer ser entendido sem precisar se explicar. Quando ele fala que quer sair com os amigos para um bar, é porque ele quer sair com os amigos para um bar, e não se encontrar com outra! Mas dificilmente isso acontece (risos).

Agora quais os próximos passos? Algum plano em vista? Meu desejo é continuar na carreira de arte e viver da arte como um todo, trabalhando nas três frentes: TV, teatro e cinema.


Agradecimento: Pousada Quebra Mar (locação) - www.pousadaquebramarbarra.com.br

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

MÚSICA: Festival MPB: chegou o que faltava

Festivais não faltam. Tem de Rock, Jazz, Axé e Sertanejo. Mas e de MPB? Deixa ver, acredito que deve ter algumas décadas que não acontece, hein?! Mas a espera acabou. Um grupo de empresários, incluindo os pernambucanos, Augusto Acioli, Carla Bensoussan e Juliana Cavalcanti, juntamente com a baiana Flora Gil, estão à frente desse mega projeto. A ideia é valorizar a MPB e oferecer ao público a oportunidade de um festival que há tempos não acontece nessas proporções.


Claro que também vale a máxima de que Recife recebe muito bem shows e outras atrações culturais. Pois é. Acertaram em cheio quando pensaram e viabilizaram reunir nomes como Nação Zumbi, Lenine, Gilberto Gil, Marisa Monte, Caetano Veloso, Ana Carolina, Seu Jorge, Arnaldo Antunes, Maria Gadu e Banda do Mar, Tibério Azul...Ufa! É muita gente competente em dois dias.

O festival acontecerá próximo sábado 13 e domingo 14 na área externa do Centro de Convenções de Pernambuco. A estrutura conta com dois palcos e espaço para praça de alimentação e área de descanso. Pensando na mobilidade a organização do evento fez parceria com uma empresa de taxi para deixar uma parte da frota à disposição, facilitando a locomoção do público.

Um momento onde terão bandas consagrados com uma geração que já se firmou. A Tropicália de Gil e Caetano, a fusão regional e rock da Nação Zumbi, sem falar do samba-rock de Seu Jorge, o experimentalismo de Arnaldo Antunes. Paro por aqui? De jeito algum. A voz aveludada de Marisa e a elétrica Preta Gil também estarão presente. Mas de todas as misturas uma das mais aguardadas é a mistura que subirá ao palco no sábado Gilberto Gil e Marisa Monte farão o show juntos, unindo a velha e a nova guarda da MPB pela primeira vez.

Recife será a estreia do Festival que pretende ganhar o Brasil. Como dito no início, tivemos um festival como esse somente décadas atrás. Vai esperar mais o que?




Ingressos à venda no stand do Shopping Recife, Óticas Diniz (Shopping Recife), Loja do Jornal do Comércio (RioMar)

Site oficial: www.festivalmpboficial.com.br

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

BEBIDA: VADIO, O VINHO PORTUGUÊS DA BAIRRADA E SEU ESTILO CLÁSSICO

Entre todas as regiões vitiviníferas portuguesas a Bairrada talvez esteja entre as menos reconhecidas – frente a outras cujos vinhos se popularizaram, como os do Douro e do Alentejo. É lá na DOC Bairrada, na aldeia da Poutena, que o jovem enólogo português Luiz Patrão apostou numa casta tradicional e também pouco conhecida do brasileiro, a Baga, e hoje produz nas terras da família um dos vinhos portugueses mais interessantes dos últimos tempos: o Vadio. Este ilustre desconhecido é feito a partir de um estilo clássico, respeitando a autenticidade da região e o caráter das castas. 

Como o Vadio tem origem num vinhedo muito antigo – com cerca de 80 anos – produz apenas 1.800 garrafas. Além de simpático, o nome que surgiu por acaso, segundo Patrão, traz alguns traços determinantes do vinho: “liberdade, aventura, vontade de arriscar e de explorar, condimentado ainda com alguma dose de imaturidade e irreverência. É este o espírito dos meus vinhos e do trabalho que desenvolvo na Bairrada, e o nome Vadio encaixa na perfeição”, define.

Na verdade, o projeto nascido a princípio de um único rótulo, ganhou corpo e hoje virou uma pequena família. Além do tinto mais básico, temos o Grande Vadio Tinto – produzido apenas em safras excepcionais, o Vadio branco e o Espumante Vadio Champenoise.  Cem por cento Baga, o Vadio tinto é elegante e tem grande complexidade aromática, expressando bem o potencial da casta. O Vadio Branco, com excelente acidez para acompanhar gastronomia, é elaborado com Cercial (fermentado em inox) e Bical (fermentado em barrica usada). Já o agradável Espumante é feito a partir de método tradicional com as castas Bical, Cercial e Baga (está em menor porcentagem).


Enólogo desde 2004 da Herdade do Esporão, uma das maiores de Portugal, Patrão faz parte do movimento Young Winemakers, formado por seis jovens enólogos que trabalham com vinhos autorais em Portugal.  “O projeto começou porque desde o início tive vontade de fazer um vinho na minha região Natal. Depois porque enquanto estudava, ouvia constantemente opiniões depreciativas relativamente à Baga, que é uva típica da região da Bairrada e encarei como um desafio”, explicou.

“Querer ter o seu próprio vinho acho que está no sangue de qualquer enólogo. O Esporão apoiou desde o início. Além disso havia um grande suporte familiar, que é o meu Pai. As nossas vinhas são o jardim dele. Eu limito-me a tentar não estragar as uvas que ele me dá”, brinca o jovem produtor.




terça-feira, 9 de dezembro de 2014

ARTE: EXPLOSÃO DE CORES À FRANCESA COM FRANÇOISE NIELLY

A infância no sul da França de Françoise Nielly foi um tanto quanto solitária. O pai, arquiteto, trabalhava muito e o tempo dedicado a ela era ensinando a desenhar, fotografar e falar de seus projetos e obras. Françoise então começou a imaginar um mundo colorido e as cores passaram a ser suas grandes companheiras e a tornaram uma grande artista. Usando espátula e muitas cores Fraçoise pinta rostos como quem pinta os amigos imaginários da infância. Com força e personalidade sua arte vem conquistando cada vez mais gente em mais lugares no mundo. A MENSCH fez uma entrevista exclusiva com Françoise e dentre outras coisas descobriu de onde vez sua inspiração. 


Você pinta rostos, usa espátula e óleo, usa muitas cores e se aproxima do cubismo...Como chegou a esse estilo, a essa técnica? Realmente não sei bem, eu sempre estive no mundo da arte, comecei a pintar e a desenhar muito cedo.  Meu pai era arquiteto, por isso ensinou-me a desenhar. Eu comecei a fazer quadros e com o passar dos anos encontrei a minha arte. O problema de muito artista é que tenta copiar o estilo de um outro ja conhecido. Cada um tem que encontrar o estilo que lhe é próprio.

Você já estampou sua arte em carros, tecidos, é uma forma de popularizar, se mostrar mais para mais pessoas? Não fui à procura destes projetos, eles vieram a mim, mas eu gostei muito de participar. Eu gosto de mostrar a minha arte e saber o que as pessoas acham das minhas obras, por isso que tenho um FACEBOOK onde sempre publico fotos dos meus quadros para ver os comentários das pessoas.

As pessoas tem tido cada vez mais acesso a arte? Como vê a comercialização das artes plásticas? Acho que é bom, mas temos que ter mais liberdade nas artes plásticas. Não se tem que pensar em vender e ser famoso, o artista tem que pintar (ou outra arte) com o coraçao, para satisfazer o próprio prazer. Se começar a pintar pensando no preço de venda, a tua obra não vai se sair bem. Eu sempre digo aos novos artista: pintem com o coração para encontrar o teu estillo.

Paris é uma grande inspiração artística? Sim, sobretudo que eu trabalho em Saint Ouen, perto de Paris. É em Saint que que temos o « Marché aux puces ». Todos os dias têm várias pessoas de todos os paises, de todas as nacionalidades, é a minha inspiração. 





E falando nisso, como busca inspiração? Leio muito, saio em Paris para vários lugares. 

Algum ritual? Não há ritual nenhum porque posso ter 2 fotos da mesma pessoa, uma que me inspira e outra que não. Por isso que é muito complicado fazer um quadro para uma pessoa que me envia a foto dela.

O que conhece e gosta da arte brasileira? Eu não conheco bem a arte brasileira, sei que gostam muito de Street Art, mas realmente nao tenho um nome que me venha, mas vou começar a me interessar mais.

Site oficial: http://www.francoise-nielly.com/

Confira entrevista (e como ela pinta os quadros) de Françoise à uma TV europeia: 



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

FITNESS: CROSSFIT, O ESPORTE DO FITNESS

Partindo do princípio básico, o Crossfit é um programa de força e condicionamento físico baseado em movimentos funcionais, constantemente variados e em alta intensidade relativa. Movimentos funcionais são aqueles que naturalmente vem programados em nossa genética, como: correr, saltar, empurrar, puxar, se pendurar, pegar um objeto no chão, etc, que fazemos naturalmente desde a infância e aos poucos vamos perdendo a força e forma correta de realizá-los devido às facilidades da vida moderna. Esses movimentos são feitos em alta intensidade relativa, o que é intenso para um pode não se para outro. Imagine dois atletas em uma corrida de 5 km, um termina exausto em 40 minutos dando o seu máximo e o outro termina a prova em 20 minutos batendo seu recorde, ambos trabalharam em alta intensidade, cada um no seu limite, isto é o que propomos, a busca do seu melhor, sempre no seu limite de saúde e segurança. 


O treino é constantemente variado pois dificilmente ele se repete, a variação vai desde a volume, tipo de exercício até a intensidade ou quantidade de repetições, ou seja, não se tem rotina. É essa mistura de exercícios, intensidade e variedade estímulos que gera as adaptações necessárias para preparar o corpo para realizar o desconhecido e o desconhecível, como dizemos no CrossFit. O objetivo é devolver as pessoas a capacidade de ser autônoma, funcional e saudável, os benefícios extras que advém do treinamento em conjunto com uma boa alimentação são: diminuição da gordura corporal, regulação das taxas hormonais, glicose, colesterol, triglicerídeos, etc. Tudo isso num ambiente de comunidade em que o treino só acaba quando o último termina, todos se incentivam a dar o seu melhor no dia.

O INÍCIO DE TUDO

O CrossFit surgiu na década de 90 através de Greg Glassman "Coach", ele tinha desenvolvido um treinamento utilizando ginástica olímpica, atletismo e levantamento de peso, a mistura destas modalidades resultou num programa de condicionamento físico em que os atletas tinham resultados expressivos em várias capacidades físicas como resistência cardiorrespiratória e muscular, força, flexibilidade, potência, velocidade, coordenação, agilidade, equilíbrio e precisão. Em 1995 fundou o primeiro box de CrossFit em Santa Cruz, Califórnia, convidado para treinar a força policial local ganhou notoriedade devido ao aumento das capacidades físicas dos policiais, em 2001 lançou o site oficial, crossfit.com onde começou a divulgar a metodologia e os WODs (workout of the day - treino do dia), começando a ter seguidores por todos o mundo. Em 2003 iniciou o processo de afiliação e em 2005 já eram 18 box afiliados, e em 2009 mais de 1000 em todos o mundo. Atualmente existem mais de 5000 box em todos o mundo, mais de 200 só aqui no Brasil.



A sessão de treino do CrossFit dura entre 45 minutos e 1 hora. Inicia com uma sessão de mobilidade com o objetivo de preparo das articulações para o treino e ganho de amplitude de movimento, seguido de um aquecimento especifico para o treino do dia ou global (aumento da temperatura corporal e frequência cardíaca), então segue para um treino de força ou de prática de uma habilidade específica, por exemplo, deadlift (levantamento terra), onde descreve a técnica do exercício para ser executada com a máxima segurança e eficiência. Após estas etapas, vem a parte mais esperada pelos atletas, o WOD, o treino do dia, onde são executados os exercícios propostos com objetivos que vão desde o menor tempo possível, como maior número de repetições ou carga, sempre observando a técnica na execução e os limites de cada um.

Os materiais utilizados na prática do CrossFit são os mais diversos possíveis, ligados a ideia de realizar as tarefas mais diversas possíveis. Os mais comuns são: as barras, anilhas de borracha, kettlebell (peso de origem russa), cordas de pular, argolas olímpicas, cordas para subir, med ball. Eventualmente utilizamos pneus, toras de madeira ou outros implementos que simulam as tarefas do dia a dia das pessoas em geral ou um público específico como bombeiros ou forças armadas.

PÚBLICO ECLÉTICO

Em geral são pessoas já praticantes de algum exercício que querem sair da rotina das academias convencionais, seja um sedentário ou um atleta em busca da melhora da performance. Todos nós com ou sem alguma limitação temos que nos movimentar ou realizar tarefas, no CrossFit todos os exercícios são adaptados, na mesma sessão de treino temos o atleta e o idoso, a gestante e o adaptado. O que o praticante precisa ter é vontade de dar o seu melhor a cada dia.

FIQUE ATENTO 

Os cuidados necessários para a prática da modalidade é buscar uma academia afiliada (maps.crossfit.com) e com treinadores graduados em Educação Física e certificados pela CrossFit em pelo menos Level 1 Trainer, o mínimo exigido para orientar treinos de CrossFit. Um local apropriado para treinar, com os equipamentos e estrutura preparada garante, também, a segurança para realizar todos os movimentos de forma correta sem riscos de acidentes. Uma visita ao cardiologista é recomendada para verificar se você está apto a realizar exercícios físicos. De resto é suar a camisa e entrar em forma!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

CAPA: Paulo Dalagnoli ganha fama de bom rapaz e destaque com seu personagem em Malhação

De Santa Catarina para a tela da Globo no papel de Lírio em Malhação e Paulo Dalagnoli já está muito bem adaptado a vida carioca. Modelo e ator ele é daqueles que vão em busca dos sonhos sem medir obstáculos e esforços. Alguém duvida que ele vá longe?

Como você chegou até a Globo e à Malhação? Conta um pouco desse início... Eu já estava estudando teatro há alguns anos e fui selecionado para fazer o teste da novela e acabei sendo aprovado.


O que está achando do seu personagem Lírio? Dá pra ser amigo dele? Como você vê o desenrolar dele na trama? O Lírio está muito bem. Não o vejo como uma pessoa má, e sim um cara sem noção que está atrás do seu maior desejo: ser famoso e poder se exibir para todos. 

Foi difícil largar Santa Catarina e encarar o agito de São Paulo e Rio de Janeiro? Se identifica com algo nessas duas cidades? Sim, foi difícil largar Santa Catarina, mas corri e continuo correndo atrás das minhas metas e objetivos. Me identifico mais com o Rio de Janeiro. Cidade Maravilhosa, o título por si só já diz tudo. Amo as belezas naturais cariocas.

Você já se considera um “menino do Rio”? Sim, amo o estilo de vida que posso ter aqui. O Rio inspira a todos, por suas belezas naturais, a ter uma vida saudável. E desde criancinha eu amo praia, digamos que foi muito fácil a minha adaptação. (risos)

Com esse destaque em Malhação, o assédio feminino...como está? Cresceu um pouco. Amo minhas fãs, sempre me apoiam muito!

Que qualidade feminina você admira e qual inveja? Eu admiro e invejo o equilíbrio da mulher. O sexo feminino é muito mais ponderado e sensato.


Nessa vida agitada de ator e modelo fica difícil manter a fidelidade? Não vejo dessa forma. Fidelidade está associada ao carácter e aos valores, princípios que trazemos em nossa bagagem de vida. 

Trabalhar como modelo te deixou mais ligado em moda? Qual seu estilo? Sim. Sou uma pessoa antenada e tenho um estilo casual descolado.

Você é um cara vaidoso? Como lida com o espelho? Um pouco. Gosto de um bom corte de cabelo, um perfume e um look legal. Nada demais. Não sou uma pessoa de ficar me admirando no espelho.

Pra manter a saúde e o corpo em dia, quais seus hábitos? Tento ter uma vida regrada, uma alimentação balanceada e pratico atividades físicas.

O que curte fazer quando não está gravando? Adoro ir a programas culturais, a praia, ler e escutar música.

Se não fosse ator, o que acha que seria? Algo ligado à música, esporte ou escritório? Escritório.


Um ator de destaque em Malhação termina sendo referência para muitos jovens. Você pensa em que tipo de referência pode estar sendo? Algum toque para essa galera que te assiste? Espero estar sendo uma boa referência para meu público como pessoa e como profissional. Vá em busca de seu sonho com dignidade, um dia ele vai se realizar.

Paulo veste:
Coca-Cola Clothing, Calvin Klein, Damyller, Fred Perry, Angelo Litrico, Levis