terça-feira, 23 de agosto de 2011

MUSA: JANAÍNA JACOBINA - Derrape nas curvas dessa gata radical.



O nome dela é Janaína Jacobina, mas você poderia muito bem chamar de Mulher-Maravilha que cairia como uma luva para essa matogrossense que começou a carreira aos 12 anos desfilando para a marca Ellus e logo a seguir, embarcou para o Japão para trabalhar como modelo. Desde então Janaína não parou mais, sem papas na língua atraiu todos os olhares (inclusive os de inveja da mulherada) ao participar da terceira edição do programa “A Fazenda”. Além de sucessos na TV e nas passarelas, Janaína extravasa suas energias é através dos esportes radicais, seja na água, na terra ou no ar, Janaína vive a vida no melhor estilo aventureiro. Muito brincalhona e segura de si, atualmente seu desafio é no programa “Tudo é Possível”, da Record, onde encara novos desafios. Sempre com um belo sorriso no rosto e muita personalidade.
  
Janaína, você já passou por programas como A Fazenda, TV Fama, Saindo da Rotina... qual deles você diria que foi o mais radical? Cada um tem um estilo completamente diferente do outro. Espero e tenho certeza que a minha matéria radical ainda está por vir! "A Fazenda" é um reality show que envolve confinamento, divisão de grupos e dois milhões de reais em jogo. Assistir ao programa é uma coisa; estar lá dentro é completamente diferente (com pessoas que já fizeram algo na TV). O "TV FAMA" é um programa diário, como uma revista de "celebridades", só que na TV.

A série "Saindo da Rotina" é muito interessante. Primeiro o fator surpresa. A gente não sabe a cidade onde será gravado. A adrenalina já começa ao arrumar a mala, sem saber para onde está indo. Somente no aeroporto você começa a ter uma idéia do possível lugar. Nesse momento, celular e aparelhos eletrônicos já estão com a produção. A missão é conviver com outra família e seguir sua rotina, que não é uma tarefa tão simples assim. Cada casa tem os seus hábitos, manias, regras e você tem de participar dos afazeres dos moradores da casa.

É completamente diferente de um confinamento, como "A Fazenda", e onde você não está competindo a nenhum prêmio. Apesar da intensidade das gravações, do cotidiano, as possíveis diferenças, é impossível não se apegar e surgir um carinho pelas pessoas. Além dos momentos de "perrengues", diversão, "micos", superações, aprendizado, entretenimento, o “Saindo da Rotina” traz uma reflexão social, mostra a diversidade sócio-cultural que temos no mesmo país, no mesmo estado. São realidades que muitos nem imaginam que poderia existir.
"A Fazenda" era tudo aquilo que você esperava ou foi pega de surpresa até mesmo com suas reações lá dentro? Algum ressentimento? Considero A Fazenda três o segundo maior presente da minha vida. Entrei com muita garra e vontade de ganhar. Ao entrar pela porteira, muitas surpresas estavam a caminho. Assistir a Fazenda é uma coisa, estar confinado dentro dela é outra completamente diferente. São 16 pessoas dentro da mesma casa, cada uma de um estilo, personalidades diferentes, no mesmo quarto, mesmo banheiro, sem comunicação com o mundo, histórias e objetivos de vida diferentes... Na primeira semana tudo bem, mas com o passar dos dias, o clima fica mais tenso. Quando entrei, pensei que conseguiria passar os três meses numa boa, mas não foi assim. Tudo o que fiz e disse lá dentro, fiz consciente. Ter coragem de falar o que pensa, não é simples. Existe um preço!

Na minha edição, teve um diferencial das edições anteriores: a divisão de grupos, que me fez refletir muito sobre várias situações, valores de vida e também materiais.
Votar em grupo é interessante quando você está de acordo com as idéias dos integrantes e escolhe participar do mesmo. No meu caso, chegou um momento onde eu discordava completamente da estratégia que eles tinham. Tenho certeza de que não sou melhor do que ninguém, porém abrir mão do que eu acredito, significaria jogar no lixo, a minha essência, o que aprendi com a minha família e com a vida. Foi aí que os conflitos começaram.

Fui sincera e bem verdadeira lá dentro. Tive coragem de mostrar quem eu sou: um ser humano como qualquer outro, que vence, sofre, supera... Lembro que eu pedia a Deus me dar forças. Fiquei na fazenda 84 dias, fui campeã de roças. Cada vez que eu voltava de uma delas, mais rejeitada eu era... Não fazia idéia do que estava acontecendo aqui fora. Segundo pesquisas, eu entrei na Fazenda com 2% de popularidade e saí com mais de 95% de aceitação do público. Eu estava além dos meus limites, emagreci quase 7 kg durante o programa. Todos os "problemas/mágoas" que existiram dentro da Fazenda, resolvi lá, e tudo isso foi ao ar. Saí da Fazenda com o meu HD limpo!

Na convivência é melhor se relacionar com homens ou mulheres? Falta nas mulheres a cumplicidade masculina?  Pra mim, nesse caso, não existe diferenças. O que existe é a personalidade de cada um, sua criação, história de vida, medos, traições, seus valores. Isso sim influencia nas atitudes do dia a dia da pessoa, seja nos momentos bons quanto nos delicados.

Sei que você é fã de esportes radicais, quais seus preferidos? Já suou frio e quase desistiu de algum em cima da hora? Gostar de esportes radicais e adorar aventura é uma situação. Isso não significa que a pessoa não sente medo algum. A adrenalina vem justamente neste momento, onde o medo é desafiado e o melhor, superado! Recentemente, eu fui a Las Vegas e saltei de um prédio de 90 andares. Adorei!!!

Você já viajou muito para fazer matérias radicais e esportivas. Conta qual foi a mais radical? Já fiz trilhas de 5 horas, com terreno extremamente íngreme, uma dela foi no interior de Minas, próximo a cachoeira do Tabuleiro, considerada a terceira maior cachoeira do Brasil. O "perrengue" foi na volta, com chuva forte. Mesmo com roupa adequada, subir na chuva foi bem difícil, não tinha um ponto para sentar e esperar a chuva passar, não dava porque era final do dia. Uma das pessoas que estavam no grupo caiu entre as pedras e quebrou uma das pernas. Precisávamos de socorro para ajudar o nosso colega e conseguimos um jegue emprestado (carro não tinha acesso) e nem sei explicar como conseguimos voltar e buscá-lo. Falta pouco para eu ser oficialmente piloto de trike. Durante minhas aulas práticas, confesso que bate uma sensação de responsabilidade de estar com todos os sentidos ligados em cada detalhe, em cada movimento, atenta para lembrar-se da teoria.

O que um homem precisa ter e ser para provocar interesse em você? Que qualidades você admira num homem? Com as experiências da vida, hoje uma das primeiras coisas observo num homem é a maneira como ele trata as pessoas, dos amigos ao manobrista. Caso exista algum movimento, palavra que possa remeter a uma pessoa agressiva não perco mais um minuto para analisar nada. Quando o assunto é relacionamento, beleza não é algo que me provoca interesse. Admiro homens autênticos, que não usam aquele texto decorado pela maioria, durante a conversa você percebe que ele está sendo natural, não tenta ser o "príncipe encantado” ou o “último romântico". Dá para perceber quando o assunto flui naturalmente, quando a "graça" não é forçada. Estou namorando a mais de um ano, no nosso primeiro jantar fiz o oposto: só contei meus defeitos, de propósito, e não fui "vestida para matar". Quero ao meu lado um homem de verdade, com qualidades e defeitos, que saiba que não sou cinderela, que realmente valorize suas origens, por mais simples que elas sejam e saiba o valor da família na vida de qualquer ser humano. Gosto do luxo, de tecnologia, mas amo "coisas simples", como ficar descalça e sentir a terra, a natureza, ouvir a chuva...

Na hora do sexo você curte muita adrenalina ou tem limites? Sexo é intimidade, é pele, é sintonia, é a energia o momento, não tem roteiro!
Qual a pior mancada que um homem não deve cometer na cama? Sexo não é uma pessoa, são duas! Para mim, sexo não é teatro, não é via única, é mão dupla. Mancada é fazer o que não quer, é fingir o que não sente...

Que aventura radical você não iria resistir e te deixaria de quatro pelo cara que te fez o convite? Uma aventura que não resistiria era conhecer a LUA. Agora me deixar apaixonada aí já é outro assunto, não venho com bula, (risos)!

Um homem de estilo segundo Janaína Jacobina usa o que? Não tem medo de vestir o que tem vontade. A roupa é um detalhe, quem dá vida, é a personalidade de quem a veste. Palavras: atitude, personalidade!


Agradecimentos: Fabiana Gomes – GMP Assessoria de Imprensa
E agradecimento especial a bela Janaína Jacobina.


Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

Nenhum comentário:

Postar um comentário