sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

ENTREVISTA: Rafael Zulu, a fina estampa de uma revelação do teatro

O que faz um cara virar ator? Talento e oportunidade? Talvez. Às vezes o destino traça caminhos que nem se imagina. E quando percebemos, somos pego de surpresa e mudamos o rumo dos fatos. Foi mais ou menos isso o que aconteceu com o ator Rafael Zulu. Formado em telecomunicações, trabalhava com o que gostava... até o dia em que pisou no palco de teatro e descobriu sua real vocação. Vocação essa que o fez admirar um belo trabalho social, ao se encantar pelos “Doutores da Alegria”. E foi assim, diante desse inesperado futuro profissional que surgiu um ator dedicado, talentoso e acima de tudo, muito simples. Elogiado profissional e dedicado pai, Zulu encara seus desafios, ou melhor, personagens com total disposição e entrega como se todos fossem seu primeiro trabalho. Aos poucos esse cara simples que abraçou a arte de atuar como profissão e realização, foi ganhando cada vez mais espaço e fãs. E nós da MENSCH não poderíamos ficar de fora e homenageá-lo com essa matéria. Até por que é um belo exemplo a ser seguido.

Seu nome é Rafael Gervásio dos Santos. De onde vem o Zulu? Apelido de infância ou nome artístico? Uma grande amiga e atriz a Josie Pessoa me deu esse apelido na época do teatro! No começo relutei, mas depois aceitei! Zulu é um sobrenome forte e hoje não me vejo sem ele! Ela me deu esse nome devido aos negros da África do sul que alguns fazem parte da tribo ZULU... São considerados os negros mais fortes, bonitos e guerreiros! Quando soube disso pensei: Quero ser esse tal de ZULU aí! (risos)
Você é formado em telecomunicações, trabalhava já na área quando resolver largar tudo e correr atrás da carreira de ator. Como foi essa mudança? O que aconteceu pra você largar uma coisa e sair em busca de outra? O bichinho do teatro acabou me picando e me seduziu. Na verdade sempre fui muito apaixonado por teatro, sempre assisti boas peças quando ainda estudava e cursava o meu primário, mas nunca me imaginei ali no palco! Achava IMPOSSÌVEL! Foi uma decisão muito fácil pra mim, por que eu não amava o que eu fazia... Era feliz, gostava até, mas não AMAVA! Quando pisei a primeira vez num palco de teatro me dei conta de que ali que eu gostaria de estar para sempre!
Soube que foi por conta do trabalho "Doutores da Alegria" que despertou em você o desejo de atuar. Além de atuar, o trabalho deles te tocou mais em que? Foi sim... O trabalho deles me toca até hoje! Além da paixão e disponibilidade com que eles emprestam sua arte e talento pra alegrar aquele montão de gente doente, eles, ao meu ponto de vista, conseguem o que já é comprovado cientificamente, prorrogar a vida de uma pessoa que já estava condenada a morte! Isso é absolutamente fascinante! Só com muito amor e sendo pessoas muito especiais como eles pra conseguir atingir o ser humano e dar motivação pra eles continuarem ali vivendo ou sobrevivendo....

Você acha que como pessoa pública tem obrigação de “emprestar” seu nome para causas humanitárias, sociais, ambientais...? Qual você abraçaria? Acho que obrigação não! Mas dever sim! Como pessoa pública e principalmente formador de muitas opiniões eu devo dar a minha contribuição de várias formas... gosto de me envolver em qualquer tipo de causa séria, mas confesso que as causas sociais são as minhas preferidas!

Teatro, cinema e TV, alguma preferência? O que te trás mais realização? Tem como separar? Sempre digo que a minha preferência é estar atuando que é o que eu mais amo fazer! Mas venho de uma escola que é o teatro... Ali eu confesso que me sinto em casa! Me realizo em todos os veículos mas a TV e o CINEMA são linguagens que quero aprender mais e fazer a vida inteira! O teatro é como uma terapia, não posso ficar longe por muito tempo. Ele me alimenta como ser humano, me equilibra.

Você parece ser um cara calmo (pelo que se ver por aí). O que te tira do sério? Na verdade sou uma pessoa que busca o equilíbrio, mas admito que saio facilmente do meu centro quando o assunto é INJUSTIÇA!
O que as mulheres insistem em mudar nos homens, mas jamais terão sucesso? O hábito que nós temos de nos reunirmos pra conversar sem a presença delas! Talvez a mulher nunca vá entender que nós necessitamos e precisamos desse momento só NOSSO!!!!

Com outros personagens você já usou uma vasta cabeleira, e no trabalho passado apareceu careca. Você acha que o ator deve ir aos extremos para construir um personagem? Claro! Eu mergulho fundo nessa viagem de construção de personagem! Sempre quero e gosto de mudar... Estou alinhavando um trabalho no outro há 4 anos... Fina Estampa eu comecei a gravar dois meses depois que TiTiTi acabou, isso é uma loucura pra você compor um personagem ou até mesmo querer mudar o perfil! Mas a pedido do Wolf, nosso diretor, deixei o cabelo crescer um pouco. Confesso que quis até deixar a barba crescer também, mas não pude!

Em que você é vaidoso? Como você se cuida? Gosto de praticar esportes quando estou com tempo e me alimento saudavelmente. Essa é minha grande vaidade.

Você levanta a bandeira negra ou acha que fazer apologia a cor acaba trazendo mais preconceito? Levanto sempre a bandeira SOCIAL! O que mais me incomoda é o desnível social em que vivemos e convivemos no Brasil e no mundo... Não necessariamente o de raças, de cor, mas o preconceito como um todo é algo muito ignorante, mas ainda bastante existente.

Apesar da fama que a carreira de ator dar, você costuma ser um cara reservado. O interesse pela vida pessoal o assusta? Um pouco eu confesso, mas é o preço que pagamos quando resolvemos e escolhemos essa profissão! Por isso tento ao máximo ser esse cara reservado, me sinto mais protegido!


De gay em TiTiTi para mecânico em Fina Estampa. Prova de grande versatilidade, não é? Alguma dificuldade nisso? Todas as dificuldades! É sair de um pólo e ir pro outro que é completamente diferente! Mas é divertido e eu adoro! É difícil, principalmente na TV nós atores termos a oportunidade de fazer personagens que fujam completamente do que você é de verdade! Eu tenho tido essa “sorte”, tenho recebido personagens maravilhosos e completamente diferentes um do outro!


Em Fina Estampa você interpreta um mecânico. Tem sido mais assediado por isso, uma vez que muitas mulheres têm fantasias com macacões sujos de graxa? (risos) Sempre ouço umas piadinhas nas ruas, mas nada demais... O assédio sempre existe, mas não sei te dizer se aumentou ou não! (risos)

O que costuma fazer quando não está gravando? Ficar com a minha família e minha filhota linda. Mas tenho aproveitado meu tempo livre para estudar canto...
Fotos: Sérgio Santoian
Agradecimento: Talita Vaccaro – Trevo Comunicação
Agradecimento especial a Rafael Zulu
Acompanhe a MENSCH também pelo Twitter: @RevMensch e baixe gratuitamente pelo iPad na App Store.

5 comentários:

  1. Adooooooooooorei,ele é um ótimo ator!

    ResponderExcluir
  2. eu amo o rafael zulu ele e o maximo muito lindoooooooooo

    ResponderExcluir
  3. ele muito lindo,um deus grego no brasil...

    ResponderExcluir
  4. ele e muito gostoso eu com um desse nem olhava mais pra homem nem um

    ResponderExcluir
  5. Ele é lindo , é maravilhoso, corpo perfeito, é elegante, em fim; ele é encantador. É um negro sensual que me deixa balançado. É um sonho de consumo. Adorooooooooooooo.

    ResponderExcluir