sexta-feira, 9 de setembro de 2011

ENTREVISTA: ARY AGUIAR JR

Ary Aguiar caiu meio que de pára-quedas como ator por conta da sua eterna inquietação quando criança. Porém, naquele momento nascia um ator com facilidade para fazer rir e criar situações no mínimo divertidas. O talento de Ary Aguiar resultou em grandes momentos à frente das câmeras como a participação no programa “Quinta Categoria” da MTV, e o fez ganhar o prêmio de campeão da Copa do Mundo de Improvisação em 2010. Ary é desses caras que naturalmente faz rir, inclusive a sí mesmo com situações engraçadas como a do velório que vocês verão nessa entrevista. Para posar para a MENSCH, Ary encarnou um 007 pra lá de trapalhão sob as lentes de Kadu Niemeyer. O resultado, como vocês podem ver, foi hilário. Como não consegue ficar parado, Ary estreia essa semana, ao lado de sua “Bond Girl” Emanuella Grun, a comédia-romântica “Felizes para sempre” no Teatro Vanucci no Rio de Janeiro. Quem tiver a oportunidade não deve perder, é riso certo! Pra quem quer um pouco mais de Ary, é só conferir no site da sua assessoria e agente Márcia Dornelles, as matérias e trabalhos ou seguir pelo no Twitter @aryaguiarjr. Boa entrevista e boa diversão!

Como você se descobriu comediante? Como foi o início de carreira? Comecei a fazer teatro aos nove anos por livre espontânea pressão e porque foi a única maneira que minha professora achou pra me fazer ficar quieto e focado na aula, a partir dos 14 é que comecei a levar a sério. Fazer comédia foi um caminho muito natural, não se procura isso ou você é engraçado ou não é nunca fui o cara mais engraçado da turma, mas com certeza fui o mais cara de pau, acho que depois do espetáculo “Os Adoráveis Sem-Vergonhas” que fez grande sucesso em 2005 e 2008 começou a surgir mais trabalhos para mim nessa área, não me considero um comediante, sou um ator que sabe fazer rir... e gosta muito disso! O humor hoje em dia tomou outro rumo, saiu daquela coisa de só ter personagens e bordões repetitivos é muito mais uma crítica, um olhar debochado e mais criterioso de assuntos sérios ou banais que levam ao riso. Rir do absurdo, e com o meu trabalho como ator e improvisador acho que me encaixei e descobri o meu espaço.

Em algum momento você já foi engraçado quando deveria ter sido sério? Sou o rei dos furos, mas juro que é muito sem querer! Estava num velório e o morto era um torcedor do botafogo, de repente um celular tocou bem alto do meu lado tocando o hino do Flamengo e eu mandei: “Nossa assim o defunto vai levantar!” todos no velório começaram a rir muito e eu fiquei sem graça, pra tentar disfarçar piorei: “agora já chega, voltem a chorar porque ele era botafoguense!”, a viúva foi a única que não riu e me fuzilou com os olhos, achei prudente ir embora. Pelo menos foi um enterro divertido... Qualquer coisa viro animador de velório!

Conta sobre sua participação no "Quinta Categoria" da MTV. Ficou de primeira categoria? Participar como convidado do Quinta Categoria foi um grande marco na minha carreira, a primeira vez foi em 2010 e a outra foi agora em julho de 2011, é muito bom ver este formato chegando a TV e se consolidando no Brasil, lá fora já tinha o “Whose Line Is It Anyway?” Que inspirou toda uma geração por aqui. Foi muito bom improvisar ao lado de Paulinho Serra, Rodrigo Capella e Tatá Werneck, o programa é sucesso na MTV e muito bem dirigido pelo Ivan Von Simson, esses ingredientes tornam o Quinta um programa de primeira categoria, com certeza! É impressionante o carinho e a dedicação dos fãs do programa, estão sempre em contato comigo e tenho prazer em atender cada recado, uma platéia completamente apaixonada por jogos de improvisação.

O que tira o teu bom humor? Políticos safados, atendente de telemarketing e fatura de cartão de crédito, não tem como rir disso mesmo eles sendo uma piada! Falando sério, levo a vida de uma maneira muito leve, não costumo levar problemas pra casa, vivo o momento.

É mais fácil fazer rir no teatro ou na TV? Com certeza absoluta no teatro você tem a resposta imediata da platéia e isso facilita muito... ou não! Na TV, no “Cuecas de Plantão”, procuramos fazer uma análise divertida dos absurdos do cotidiano, como o programa é ao vivo na ALLTV, até temos uma resposta imediata também, mas a repercussão é sempre maior após o programa, nosso programa é o mais visto da emissora e nossos vídeos no Vimeo e no Youtube fazem sucesso na internet. Tudo bem que na TV você conta com a ajuda de outros profissionais de som e edição que ajudam muito a tirar leite de pedra! (risos)

No teatro o improviso é improvisado mesmo ou é um improviso planejado? Totalmente improvisado, as cenas são criadas na hora com sugestões da platéia, nunca um espetáculo é igual ao outro, acho que isso é o que torna a improvisação tão interessante para o público. Isso foi uma técnica que estudo e venho me dedicando desde o final de 2004 criada por um inglês chamado Keith Johnstone que despertam a imaginação e a espontaneidade no ator. Sou suspeito pra falar, mas considero a melhor técnica de formação de atores, pois desenvolve princípios como escuta e generosidade em cena!

Dá pra viver de fazer rir ou essa pergunta é uma verdadeira piada? Dá sim, o Brasil sempre valorizou mais o ator que trabalha com humor, e hoje em dia o público está em busca disso, são tantos problemas no dia a dia que uma comédia sempre cai bem! O humor invadiu as redes sociais, agora todo mundo quer ser engraçado e descolado na internet, acho interessante isso! A conta bancária do pessoal do Pânico ou do CQC deve ser bem divertida, eu com certeza estaria com sorrisos de orelha a orelha!

Para você quem são o rei e a rainha do improviso no Brasil? Temos excelentes improvisadores no mercado, embora seja uma técnica muito nova no Brasil ainda, mas admiro muito Fábio Nunes que faz o Sem Noção no Esporte Espetacular - TV Globo e Tatá Werneck que faz o Comédia MTV e o Quinta Categoria na MTV, começamos juntos em 2005 a estudar as técnicas do improviso e fico feliz de ver a trajetória de cada um, são gênios em cena, quando junta esse povo todo no mesmo palco, é risada na certa!

Vale tudo, tudo mesmo, pra fazer rir? Se a causa for nobre, acho que vale sim. Adoro quando vejo uma pessoa triste e consigo arrancar um sorriso ou uma gargalhada. É muito gratificante para nós, artistas, quando termina um espetáculo e alguém da platéia vem te agradecer por ter alegrado o dia dela, esse reconhecimento é o que faz isso tudo valer a pena. Afinal, um dia sem rir é um dia desperdiçado.

Conta aí uma piada no estilo do politicamente correto pros leitores da MENSCH. Piada? Tem uma de português que visitou uma bichinha chamada Joãzinho... brincadeira! Não conto piadas, isso é uma confusão freqüente que as pessoas fazem, costumam confundir improvisação com Stand Up Comedy e contadores de piada, são estilos completamente diferentes. Na improvisação as cenas são criadas na hora não existe combinação prévia, no stand up são textos escritos e ensaiados sobre observações de si ou do dia a dia e temos ótimos humoristas contadores de piada como o Castrinho, o saudoso Costinha e o meu xará Ary Toledo, diante deles nem me atrevo contar uma. (risos) De qualquer jeito recomendo assistir a TV Senado, impossível não rir!

Ser engraçado ajuda na hora da conquista? Claro que sim, bom humor é fundamental numa relação! Acho que inteligência e bom humor são afrodisíacos sim, nada como fazer uma mulher rir para ter ela completamente apaixonada por você. O problema é quando você realmente se apaixona e elas não te levam a sério por você ser comediante!



O “politicamente correto” tirou a graça do humor brasileiro? Totalmente, acho uns chatos de plantão! Inclusive já falei isso várias vezes no meu programa, acho um caminho perigoso, pois começa a classificar as pessoas em grupos e isso é o destino certo para guerras e intolerâncias. O brasileiro sempre riu de suas próprias desgraças, não é à toa que os grandes humoristas são nordestinos. Sempre fomos um povo leve, que soube ao longo dos anos conviver com a diversidade. Engrosso o coro de humoristas como Renato Aragão e o Jô Soares que disse “se o humor for politicamente correto, ele perde a graça.” Agora tudo é “bullying”, as pessoas estão perdendo o dom de rir.

O que o fato de ter sido Campeão da Copa do Mundo de Improvisação (2010) te trouxe? 2010 foi um ano especial e de consolidação no improviso pra mim. Selecionei um grupo de atores talentosos e começamos a treinar as técnicas de improvisação, expressão corporal, estilos. E o primeiro resultado veio com a Copa do Mundo em junho, depois disputamos o Campeonato Carioca de Improvisação e conquistei o tri-campeonato (2005, 2008, 2010), mas o título que foi mais importante pra mim pessoalmente foi o de Campeão Brasileiro de Improvisação, em novembro, pois fechou todo esse trabalho ao lado dos improvisadores, Kastello, Susana Soares, Alessandro Valéryio, Flávio Lobo e Danilo Maroja, a união e a dedicação do grupo foi fundamental para o “Alcatéia” alcançar esse resultado. A disputa foi cena a cena, o “Alcatéia”, meu grupo, contra a UMA Companhia, de MG, a platéia foi ao delírio! Este ano em outubro e novembro estarei disputando novamente, a cada ano os campeonatos de teatro esporte revelam novos talentos, vale à pena conferir.

Depois de participar de várias peças, filmes e novelas, como "Tempos Modernos" da Globo, como anda seu lado ator? Sempre trabalhando, estudando, não consigo ficar parado. Sou completamente apaixonado pela minha profissão, mesmo ela sendo tão difícil, tive sorte de poder atuar nas três áreas: teatro, TV e cinema. Cada uma tem sua particularidade, seu sabor, embora eu admita que TV é minha grande paixão, o lugar onde mais me identifico e gosto de atuar. Além do “Cuecas de Plantão” programa que dirijo e apresento na AllTV, estou em cartaz no Teatro Vanucci no Rio de Janeiro com a comédia romântica “Felizes para Sempre!”, um grande elenco com atores talentosos e dedicados, fico muito feliz de dividir o palco com eles.

Que "falhas" uma mulher pode comentar que você acha uma graça? Ela pode cometer todas as falhas que quiser, é sempre bom rir do mico alheio, só não pode trocar meu nome na hora H, até porque são 3 letrinhas só!
Grande Abraço aos leitores da MENSCH!
Fotos: Kadu Niemeyr
Assistente: Ana Cristina Barros
Atriz na foto de Bond Girl: Emanuella Grun
Assessoria e Produção: Márcia Dornelles – Md Produções www.mdproducoes.com
Figurino: Ary Veste Ninarô - www.ninaro.com.br
Beauty: Eliane Medeiros
Acessórios: Penéolope Acessórios

Siga a MENSCH no Twitter: @RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

Um comentário: