segunda-feira, 22 de novembro de 2010

PORTFOLIO MENSCH: Horst P. Horst


Filho de um merchant bem conceituado, Horst nasceu na cidade alemã de Weissenfels-an-der-Saale. Quando adolescente, conheceu a bailarina Eva Weidemann na casa de uma tia o que fez despertar o interesse pela arte de vanguarda. Foi estudar arquitetura em Paris, onde fez muitas amizades com pessoas relacionadas às artes. Nessa época conheceu o fotógrafo da Vogue, o Barão George Hoyningen-Huene e se apaixonou pela fotografia. Viajaram juntos para a Inglaterra, onde conheceu o também fotógrafo Cecil Beaton, que trabalhava para a mesma revista, e assim a tendência foi seguir o mesmo caminho e adotar a revista Vogue como o veículo para expor suas artes fotográficas. Se tornando assim uma referência na história da fotografia no século XX diante da sua contribuição artística.

Durante o período de 1931 e 1991, seu nome tornou-se lendário  e suas fotografias passaram a serem vistas como sinônimo de elegância, estilo e glamour inigualáveis. Nascido em 14 de agosto de 1906, Horst Paul Albert Bohrmann era o segundo filho de um casal classe média, Max Bohrmann e Klara Schoenbrodt. Os avanços, Horst como fotógrafo de reconhecido foi quando teve fotos de moda publicadas nas páginas da Vogue britânica em 1932, mostrando três fotos de moda e um retrato de página inteira da filha de Sir James Dunn, o patrono das artes e apoiador do surrealismo.









Sua primeira exposição foi exposta em La Plume d'Or em Paris em 1932. Ela foi comentada por um consagrado jornalista da revista The New Yorker, o que resultou que após a sua exibição, Horst instantaneamente era um artista famoso. Nesse período Horst fez um retrato da atriz Betti Davis, o primeiro de uma série de celebridades que iria fotografar durante sua vida. No embalo da sua carreira internacional, Horst alugou um apartamento em Nova York em 1937 e, época em que conheceu Coco Chanel, a quem Horst chamava de "a rainha da coisa toda". Um ano depois ele conheceu a diplomata britânica, Valentine Lawford, e viveram juntos como um casal até a morte Lawford, em 1991. Eles adotado e criado um filho, Richard J. Horst, juntos.

Quando a guerra foi declarada entre os EUA e a Alemanha, em dezembro de 1941. Horst até chegou a ser convocado para o serviço militar, mas ele não foi oficialmente matriculados até Julho de 1943, escapando da guerra e podendo se dedicar mais a suas fotografias. Em 21 de outubro ele recebeu sua cidadania norte-americana como Horst P. Horst. Foi justamente no período entre o final dos anos 30 e início dos anos 40 os anos mais produtivos, durante o qual se destacou no trabalho com 10 x 8 polegadas transparências coloridas, para sessões de retrato e moda. Um bom exemplo dessa "escapada" do período de guerra, foram alguns dos trabalhos que Horst teve a oportunidade de fazer como aconteceu durante o filme de Rita Hayworth Cover Girl (1944), ele teve o privilégio de fotografar as mais suntuosas estrelas de cinema, como Rita e Marilyn Monroe, ainda produziu capas em uma montagem de sete retratos diferentes da garota da capa Susann Shaw. E em 1945, Horst fotografou presidente dos EUA, Harry S. Truman, com quem ele se tornaria amigo, e assim seguiu fotografando cada Primeira-dama desse período pós-guerra, a convite da Casa Branca.


Já na década de 1950, longe da interferência do estúdio da editora da Vogue nova, Horst fez sua primeira viagem importante para a Áustria em 1952, para trabalhar em uma grande campanha publicitária com a modelo de Suzy Parker, que se tornaria uma grande estrela nos anos 1960 antes de tentar uma carreira no cinema. A década de 1960 começou bem para a Vogue americana e a Horst foi atribuído alguns dos principais editoriais da época e produziu uma série de imagens arquetípicas desta década energética. A década de 1970 continua a ser uma década atemporal onde os trabalhos para Horst ficaram escassos. No entanto, uma redescoberta de Horst por um novo grupo de entusiastas do seu estilo na década de 80 resultou em aumento dos trabalhos com a contratação de Horst para tirar nove fotografias que apareceram em Fevereiro de 1980. E se tornou em um dos trabalhos mais populares, vendendo 1,5 milhões de cópias. O que resultou num contrato para um livro com o editor James Watters.

A carreira Horst atingiu o status de "velho mestre" quando a mais famosa da deusa pop do mundo, Madonna, homenageou o célebre mestre da fotografia de moda clássica, em seu single Vogue em 1990. No vídeo, dirigido por David Fincher, ela posou como uma recriação de imagem Horst de moda mais emblemáticos, um modelo de visto de costas, vestindo um espartilho. Bruce Weber, um dos muitos fotógrafos influenciados por Horst, descreveu seus sentimentos sobre o trabalho de Horst em um documentário de televisão de 1992: "A elegância de suas fotografias... você levou para outro lugar, muito bonito... a qualidade intocável do povo é realmente interessante, pois dá-lhe algo de uma distância... É como ver alguém de outro mundo... e você quer saber quem é essa pessoa e você quer realmente conhecer essa pessoa e quer realmente nos apaixonar com essa pessoa".  Horst morreu em 1999, em sua casa localizada na Flórida, aos 93 anos de idade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário