sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Hollywood Mensch: Javier Barden

O cinema mundial vive fases que vão ditando regras, foi-se a fase de astros mais almofadinhas que lutavam sem atrapalhar o penteado, a fase dos fortões bombados da época de Rambo e o Exterminador, dos bons rapazes que além de ser o par romântico ideal ainda dançavam e cantavam ou mesmo dos guerreiros épicos loiros de traços afilados. Hoje em dia Hollywood vive uma fase "testosterona", digamos assim. Com astros de aspectos mais másculos, traços mais fortes e uma beleza nem sempre harmônica. Fase onde o novo 007, Daniel Craig, tem cara de homem no real sentido da palavra e poucas palavras ao arrebatar a mocinha. É a fase de astros como Daniel, Clive Owen, Gerald Buttler e mais recentemente, Javier Bardem. Que depois de levar o Oscar em 2008 por "Onde os fracos não tem vez", e mais recentemente com o filminho de "mulherzinha", "Comer, Rezar e Amar" ao lado de Julia Roberts, Javier veio pra ficar e mostrar que realmente os fracos não tem vez nessa nova fase.

Nascido na cidade espanhola de Las Palmas, Gran Canaria, Javier, 41 anos, vem de uma família de atores e cineastas, jogou rugby na seleção espanhola e ainda estudou pintura antes de partir para sua carreira no cinema. Já em 1994 ganhou seu primeiro prêmio no Festival de San Sebastián e um prêmio por conta de sua atuação em Dias Contados. Até que seu encontro com o conceituado diretor, descobridor de grandes talentos do cinema espanhol, Pedro Almodóvar, iria mudar definitivamente seu destino na arte de interpretar. Pois foi com o filme de Almodóvar, "Carne Trêmula" que Javier ganhou o Prêmio Goya em 1997. Pouco mais de dez anos depois e muitos filmes, e mais alguns prêmios, Javier subia ao palco do teatro onde receberia o prêmio máximo para um ator, o Oscar de melhor atuação (ator coadjuvante) por Onde o Fracos Não Tem Vez em 2008, tornando-se o primeiro ator espanhol a ganhar uma estatueta dourada. E este ano, mais um prêmio para um homem que tanto se empenhou na arte de conquistar as mulheres, Javier casou-se com sua namorada de 3 anos, a atriz Penélope Cruz, nas Bahamas. Uma bela trajetória de um homem determinado.

Aproveitamos para incluir aqui parte da matéria de capa escrita por Cris Jones para a revista americana Esquire de outubro. Que traz uma matéria relatada com um médico e amigo durante um passeio de barco.

Javier Bardem está ouvindo o médico explicar sobre a propriocepção, o processo cósmico que nos permite conhecer, entre outras coisas, a localização dos nossos pés no espaço. Ele está ouvindo o médico enquanto estão num veleiro que quase derrubou literalmente sobre as águas azuis de Oahu, Hawaii. O médico que está explicando o processo a Bardem - ele é um neurologista respeitado chamado Dr. Tom, e ele é o capitão deste navio - mas ainda é difícil de entender. Nós somos máquinas complicadas. Propriocepção envolve fusos musculares, receptores articulares e órgão tendioso de Golgi, que envolve a transmissão de impulsos elétricos através do trato espinho-cerebelar nos bolsos, como núcleo de Clarke, e como a linguagem, o medo e o prazer, que envolve, enfim, os lobos e fissuras de cérebro. É uma cadeia de eventos miraculosos que nós realmente não entendemos. Para a maioria de nós, isso acontece, os nossos pés e nossos cérebros trabalhando em conjunto, como acrobatas, e nós sabemos exatamente onde estamos.

Mas, para certas pessoas, em determinados momentos, o processo pode ser interrompido. O que antes era manual ou automático torna-se pior, ela desaparece completamente. A perda da propriocepção pode acontecer com os idosos através de uma degradação geral das suas infra-estruturas, razão pela qual eles estão propensos a quedas. Isso pode acontecer ao doente de verdade, para pessoas que sofrem, por qualquer motivo terrível, um curto de uma descarga elétrica. Isso pode acontecer com bêbados, razão pela qual eles não podem colocar um pé na frente do outro. E isso pode acontecer com as pessoas em veleiros que estão inclinados para o lado quase sobre as águas azuis fora de Oahu.
Bardem, no entanto, quer saber se a sua súbita sensação de instabilidade sobre o tombamento do barco é o resultado de algo mais sinistro. "Eu costumava ser um hipocondríaco, mas eu era jovem, então", diz ele. "Agora eu realmente estou doente." Cada dor, cada estalo, cada formigamento - eles são amplificados em sua mente em balas e venenos. Dr. Tom diz que ele é um candidato improvável para ser perdido no espaço, pois os seus membros tornam-se estrangeiros e dormentes: Ele tem apenas 41 anos de idade, e ele é fisicamente forte, com costas largas e pernas grossas - que ele usou para jogar na Espanha numa equipe de rugby nacional de juventude - e ele não bebe. Ele olha para a água com os seus grandes os olhos cansados e conta seus dias restantes, talvez imaginando qual dos seus cancros imaginados e pragas que estão finalmente puxando-o para o abrigo do bem.
O barco fica em silêncio, exceto para o retalho ocasional da vela. É uma tarde perfeita, céu aberto e arejado, e Dr. Tom dirige-nos agora para o mar, a milhas de distância da costa, a sonda, indicando que o fundo está a centenas de metros abaixo de nós. O barco mais próximo é um ponto branco no horizonte. Estamos todos a sós com nossos pensamentos de morte e outras coisas. 

A vela tira as pessoas dos seus parâmetros normais de entendimento, tornando-os a questionar seu lugar no mundo, pois seus pés e seu cérebro precisam de tempo para se adaptar à sua nova realidade. (Gaste tempo suficiente no mar e a terra se torna um lugar estranho.) Para algumas pessoas, a idéia é demais para suportar, e os seus sistemas sensoriais ficam sobrecarregados e começam a vomitar o almoço. Para outras pessoas, o sentimento torna-se viciante. Eles aprendem a amar a sensação de estar um pouco fora de equilíbrio. É como se eles pudessem encontrar a verdade sobre si apenas quando eles não conseguem encontrar seus pés.

A verdade sobre mim é que eu estou sentado em um veleiro com Javier Bardem, um homem com uma cabeça gigante que eu vi na última vez estourar o cérebro das pessoas com uma pistola de ar em No Country for Old Men. Agora, ele senta em cima do oceano a meu pedido, Anton Chigurh, empurrando esse rosnado baixo ao vento: "Chame isso, friendo". De repente eu sou o velho atrás do balcão na estação de gás apostando minha vida em um sorteio. Além do nosso iatismo-neurologista - Dr. Tom compartilha com Bardem uma amizade mútua - nós estamos unidos, para a boa causa. Eu voei até aqui depois de passar seis semanas na Copa do Mundo na África do Sul - Bardem diz que acordou cedo para ver a Espanha ganhar - um tempo de doze horas de fuzo horário. Noite é dia e o dia é noite, e Javier Bardem está sentado aqui, em um ângulo estranho campal, às vezes entrando em uma voz assustadora e indagando sobre o lugar central que ocupa o núcleo de Clarke em sua existência.

"Esses são os caras que você deveria escrever sobre isso", Bardem diz, apontando para os médicos. "Eles deveriam estar na capa de sua revista. Eles salvam vidas. Eu só faço filmes. O mundo é um lugar engraçado. Não faz nenhum sentido." Nós nos encontramos pela primeira vez na tarde anterior. Desta vez, o problema ia ser Penélope Cruz. Bardem tinha casado com ela apenas duas semanas anteriores, nas Bahamas, e os jornais tinham feito manchetes, eles ficaram juntos por seis semanas no Havaí, onde ela está filmando a quarta parcela do Piratas do Caribe foi. Bardem tinha passando seus dias debaixo das palmeiras, em sua casa alugada na sombra do Diamond Head, esperando que ela volte para casa. Ele não teve trabalho até Outubro - tem um filme de Terrence Malick a ser rodado em Oklahoma - mas ele teve turnê promocional chegando para "Comer Rezar e Amar" e um pequeno filme chamado "Biutiful" (para o próximo ano), e ele estava curtindo a nova vida deles. Ele estava em um bom lugar. Mas ele tem uma reputação de ser um homem privado, e ele tinha deixado de ser reconhecido por conta de Penélope, no momento, parte de sua vida profissional e pessoal estavam expostos, e por isso ele prefere que ela não faça parte de nossas conversas. E ainda que sendo natural que os homens a falem sobre suas esposas - e que essa história pode acabar com apenas um vislumbre dela, uma silhueta na porta, um sorriso largo através de uma janela aberta. Eu tinha uma ideia vaga que essa história poderia ser bela, mesmo que só poderia terminar com um homem apaixonado.

www.esquire.com/features/javier-bardem-interview-1010

2 comentários:

  1. Dé!
    Já vi que o blog vai ser ua fonte inesgotável sobre cinema.
    Gostei muito do texto. E Javier Bardem é mais que "um rostinho bonito", o homem é o charme em pessoa, e além de tudo arrasa na atução. A interpretação dele como Florentino Ariza, no filme O AMOR NOS TEMPOS DO CÓLERA é espetacular.
    O livro é bem melhor que filme, mas ele foi a encarnação do Florentino da obra de Gabriel García Márquez.
    Vale a pena ler e assistir!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que engoli umas letrinhas no comentário acima... rs rs... desculpem.

    ResponderExcluir