sexta-feira, 13 de maio de 2016

ESTRELA: Hanna Romanazzi, sexy, provocante e muito talentosa na trama de "Liberdade, Liberdade"


Pelas fotos desse ensaio você já percebeu que Hanna Romanazzi é encantadora. Quando ler essa entrevista vai ficar fã de vez e se perguntar de onde a conhece. Quem a vê toda espevitada e sensual na novela “Liberdade, Liberdade” não imagina que a carreira dessa jovem e determinada atriz já vem de muito tempo, especificamente aos 10 anos no teatro e aos 12 fazendo sua estreia na TV, em uma novela das 21h. A cada novo personagem uma nova paixão e uma nova descoberta, e enquanto isso Hanna segue livre curtindo sua liberdade e os bons momentos que tem colhido com seu jeito leve de levar a vida.

Seu primeiro trabalho como atriz na TV foi aos 12 anos em “A Favorita”, sem falar que aos 10 você já estava no teatro. Como foi estrear já em uma novela das 21h ainda tão jovem? Foi maravilhoso ter a oportunidade de estrear numa novela das 21h. Lembro direitinho do meu teste até hoje. Na época eu não via como um trabalho, era mais uma diversão. Olhando pra trás eu vejo como foi ótimo como atriz poder ter trabalhado com tantos gigantes tão cedinho.


Já sua primeira vilã foi a Sofia de Malhação, que até chegou a ser indicada ao prêmio de “ídolo teen” na época. Curtiu ser a mazinha da vez? Onde você buscou inspiração para compor a personagem? Adorei ter feito a Sofia! Foi uma personagem que me permitiu experimentar muita coisa como atriz. Ela gesticulava muito, falava alto e era completamente diferente de mim. Não busquei inspiração em nenhum lugar específico, mas lembro que revi Mean Girls prestar mais atenção na Regina George, que é interpretada pela Rachel McAdams.

Desde pequena você sempre teve certeza que queria ser atriz, mas mesmo assim faz questão de levar adiante o curso de direito, como você tramita entre estes dois universos? São universos bem diferentes, mas gosto muito dos dois. Quando terminei de gravar Malhação, ingressei no curso de direito e agora já estou indo para o 4° período. Apesar de serem coisas diferentes tento conciliar os dois na medida do possível. 

Você se dedica muito fora dos sets, como é sua rotina de aulas e cursos precatórios para melhor desempenho em seus trabalhos? Sempre gostei muito de teatro e só parei quando o meu trabalho na TV começou a ocupar todo o tempo. Acho que dá uma base muito grande ao ator. Além disso, vez ou outra faço cursos de vídeo e oficinas para me aprimorar.



Em “Liberdade Liberdade” você faz uma prostituta desprovida de pudor, como você se preparou para este desafio? Algum incomodo nas cenas mais sensuais? Tivemos vários encontros com a preparadora de elenco Andrea Cavalcanti e com a Babaya, preparadora vocal. Li muito sobre a época para conseguir entrar nesse universo tão diferente dos dias de hoje. A Gironda não tem pudor, é sensual naturalmente e trabalha em um bordel para sobreviver. As cenas sensuais são feitas com muito cuidado, ficamos muito à vontade, então não há espaço para desconforto. Ali eu tento focar na personagem e esquecer de mim ao máximo.

Como lida com a nudez? É o primeiro trabalho com cenas de nu? Sim, é o primeiro trabalho. Lido com tranquilidade porque confio muita na equipe e na direção. São muito cuidadosos e sei que vão transmitir tudo com muito bom gosto.


Você declarou recentemente na imprensa que está solteira e tem seu lado bom. Você acha que namorar pode atrapalhar a profissão? E qual o lado bom de ser solteira para você? Bom, acho que a pessoa que está com você precisa entender sua profissão. Se ele tiver maturidade e entender, não há motivos para atrapalhar. Pra mim, o lado bom de ser solteira é a liberdade que a gente tem, não ter a necessidade de dar satisfação sobre o que ando fazendo.

O que um cara precisa ter e ser para fazer você mudar de ideia? Gosto de gente leve, com bom humor, que saiba conversar.

O que te encanta e te espanta na hora da conquista? Cantadas funcionam em algum momento? O que me encanta é simplicidade e o que pode me espantar é a falta de confiança. Ai, cantada acho que não, né? Às vezes é bonitinho mas quase sempre não sei levar à sério.


Onde é mais fácil te encontrar, numa balada à noite com os amigos ou durante o dia, na praia...? Ou as duas situações te atraem? As duas situações me atraem. Adoro sair para almoçar com a família, ir à praia com os amigos, sair à noite...  


Você trabalha em um meio bem competitivo em todos os sentidos. Como lida com inveja, ciúmes e competição? Acho que essas coisas são normais na maioria das áreas. Infelizmente tratam o mundo de hoje como se fosse uma competição. Eu sempre fui muito tranquila e reservada, e pretendo continuar assim nesse meio. Procuro fazer a minha parte e esquecer o resto. O melhor a se fazer é desejar o bem aos outros e ignorar as coisas ruins.

O que você gosta de fazer quando não está trabalhando? Adoro viajar, conhecer lugares que nunca fui antes. Também adoro sair com os amigos, ir à praia... 

Nesse ensaio você está bem mulherão, provocante... Você se vê assim em algum momento? Que armas usa quando quer provocar? Não me sinto mulherão, mas acho que toda mulher tem seus momentos. Quando quero usar esse lado, gosto de usar os cabelos soltos, salto alto e uma roupa que faça despertar esse meu lado. 

Para conquista Hanna basta... Não se levar tão a sério!

Fotografia Vinicius Mochizuki
Produção executiva Márcia Dornelles
Beleza Vinicius Mochizuki
Produção de Moda Rodrigo Rodrigues

HANNA ROMANAZZI VESTE:

Look 01 - blusa Fabiana Milazzo; Look 02 - macacão Reve; blazer Zara; Look 03 - macacão Reve; sapato Schutz; Look 04 - vestido Ellizabeth Marques

Nenhum comentário:

Postar um comentário