terça-feira, 5 de abril de 2016

SAÚDE: Impotência sexual - Vamos falar sobre isso sem vergonha

“Isso nunca aconteceu comigo”. Essa costuma ser a frase mais dita pelos homens que experimentam o gosto amargo da impotência sexual pela primeira vez. Em uma cultura ainda dominada pelo machismo, exigindo do homem um eterno vigor, é natural que uma situação como essa cause vergonha e constrangimento, mas é fundamental que se busque mais informações e ajuda médica para enfrentar o problema. Fugir dele ou fingir que ele não existe, definitivamente, não é a melhor opção.


O QUE É A IMPOTÊNCIA SEXUAL?

A impotência é o fato do homem não conseguir produzir ou manter uma ereção peniana durante tempo suficiente para uma relação sexual. É muito mais comum do que muita gente pensa, cerca de mais de 30 milhões só no Brasil, e pode acontecer com homens de qualquer faixa etária, sendo mais comum após os 40, quando praticamente todo homem vai ser acometido por pelo menos um caso de impotência em sua vida sexual.

QUANDO A IMPOTÊNCIA SE TORNA UM PROBLEMA?
Apesar de ser o pesadelo de todo homem, a impotência só se tornará de fato um problema, algo considerado fora da normalidade, quando começam a acontecer de forma recorrente. Uma, duas, três vezes em períodos espaçados não representam um problema, por isso, o melhor a fazer nesses casos é esquecer o assunto. Já quando a coisa começa a acontecer com certa dose de frequência, aí sim, vale um cuidado maior e principalmente uma ida ao médico. Só o médico, um andrologista, será capaz de diagnosticar a causa, que pode se dá por vários fatores, e aplicar o tratamento correto.

AS CAUSAS DA IMPOTÊNCIA SEXUAL

Antes de falar das causas, vamos derrubar alguns mitos. O primeiro deles é que impotência sexual está ligada a idade. Não, não está. Apesar de acontecer com mais frequência a partir dos 40 anos e se intensificar aos 60, há um número significantes de jovens que já vivenciaram a impotência sexual ao menos uma vez. Vasectomia e masturbação não causam impotência, e sequer tem alguma ligação com isso. Impotência não tem a ver com masculinidade, assim como potência sexual também não.

Dito isso, vamos às causas...

Convencionou-se dividir as causas da impotência sexual em dois tipos: Orgânica e Psicológica.

- Causas orgânicas ou físicas

Ligada a distúrbios orgânicos relacionados aos hormônios e questões vasculares, tem como principal característica começar de forma gradual e depois se intensificar ao longo do tempo.

As principais causas físicas são:

• Problemas com o suprimento de sangue do pênis – problemas vasculares
Impedem a irrigação do corpo cavernoso peniano responsável pela ereção. O diagnóstico se dá através de um exame de ultrassom chamado Cavernossonograma Doppler capaz de desenhar a imagem colorida do fluxo sanguíneo no pênis.

• Efeitos colaterais de drogas e medicamentos Geralmente afetam a irrigação dos vasos ou atacam o sistema nervoso central impedindo os comandos ligados à ereção. Os remédios que mais causam disfunções eréteis são:

• Medicamentos usados para tratar hipertensão arterial (pressão alta), tais como espironolactona e diuréticos a base de tiazida, bem como beta-bloqueadores.

• Medicamentos usados para tratar depressão (antidepressivos) e ansiedade (ansiolíticos), tal como fenotiazina.

• Medicamentos usados para tratar distúrbios neurológicos, tais como doença de Parkinson e outras.

• Medicamentos usados para tratar problemas gastrointestinais, tal como a cimetidina.

• Medicamentos usados para tratar alergias.

Fique atento e evita a auto-medicação. Vale lembrar que drogas, álcool e fumo são atualmente uma das maiores causas da impotência sexual.

• Distúrbios do sistema nervoso

As doenças nervosas geralmente afetam os nervos que controlam o processo de ereção impedindo que ela aconteça ou tenha a duração necessária para o ato sexual.

Hiperplasia (aumento das células de um tecido) e o câncer da próstata têm sido responsáveis pelo aumento do número de casos de impotência. As cirurgias e tratamentos radioterápicos causam danos aos nervos, em maior ou menor grau, afetando desta forma a função erétil.

• Distúrbios hormonais
Distúrbios hormonais estão comumente ligados ao universo feminino, mas engana-se quem pensa que homens também não sofrem deste mal. Calcula-se que 5 a 10% dos homens sofrem de algum tipo de disfunção hormonal. Os casos mais comuns são a diminuição dos níveis de testosterona, que é o hormônio sexual masculino mais importante. Alguns especialistas falam em andropausa, uma versão masculina da menopausa, já que a queda no nível de testosterona está ligada a idade e afeta a libido, assim com no caso feminino, mas não há consenso médico em relação a isso.

Outro hormônio apontado como causa de impotência sexual é a prolactina, que na mulher é responsável pela estimulação das glândulas mamárias para a produção de leite. Nos homens, o nível normal desse hormônio é baixo, somente em casos de alterações hormonais é que ele aumenta de nível causando o que os médicos chamam de hiperprolactinemia. Antes mesmo de surgir uma primeira experiência de impotência sexual é importante nos check ups de rotina solicitar exames de testosterona, FSH e prolactina, são eles que vão detectar alguma alteração nos níveis desses hormônios possibilitando alguma ação preventiva caso alguma anormalidade seja apresentada.

• Danos estruturais do pênis

Acontecem devido a cistos, tumores, fibrose do tecido do pênis e a um encurvamento anormal, conhecido como Doença de Peyronie Traumas na virilha também têm sido apontados como causa de impotência sexual. Pesquisas ainda em evolução apontam que andar de bicicleta pode ser um grande fator de impotência por conta dos golpes no períneo (triângulo entre o ânus e a base do escroto) contra a barra frontal da bicicleta. As pesquisas estão em andamento para avaliar se a fricção contra o assento também pode levar a disfunção erétil. Para os praticantes do ciclismo fica o alerta para maiores cuidados na prática do esporte.

Causas psicológicas
O sexo está longe de ser uma função puramente fisiológica do ser humano. Envolve emoções das mais variadas que vão desde o amor a vaidade de uma performance digna de aplausos. A pressão social sobre a potência e desenvoltura masculina na hora do sexo gera grande ansiedade e expectativa que muitas vezes levam a falta de ereção, causando desconforto e constrangimento entre os parceiros. As causas puramente psicológicas para a impotência sexual, podem se instalar de forma abrupta, após algum trauma, por exemplo, ou de forma gradativa, por conta de ansiedade prolongada, depressão, stress, decepções amorosas, entre outros fatores.

Como já mencionamos anteriormente, algumas falhas podem acontecer uma vez ou outra e não significarem necessariamente impotência sexual, contudo, alguns homens não conseguem ver dessa maneira e já ficam tão perturbados que acabam por falhar outras vezes e com mais frequência. Entender que falhas eventuais podem e são normais de acontecer é o primeiro passo para que elas não se tornem frequentes.

Algumas situações, relativamente banais, da rotina de qualquer casal, também podem levar a falta de ereção, como falta de diálogo após uma briga, desconfiança e ciúme. O cenário e contexto da transa também podem levar a não realização do ato, como iluminação excessiva, barulhos perturbadores, medo de ser pego (no caso de estar transando em lugar apropriado ou com pessoa não apropriada) e até mesmo estar em uma relação sem vontade e sim pela “obrigação de macho”.

TESTE DA EREÇÃO DO SONO

Na busca pelo diagnóstico os médicos costumam fazer um teste para descobrir se o paciente tem ereções durante o sono. As ereções matutinas são de fundo psicológico e a presença delas é sinal de não haver causas orgânicas para a impotência sexual. O teste implica em uso de um anel de selos de correio ao redor do pênis flácido. Caso ao amanhecer o selo esteja rompido é sinal de que houve uma ereção durante o sono. Ainda que diagnósticos apontem para causas psicológicas, testes para causas orgânicas também devem ser realizados, pois muitas vezes o psicológico está presente quando a causa é orgânica.

TRATAMENTO DA IMPOTÊNCIA SEXUAL

Já sabemos das possíveis causas e também que uma ou outra falta de ereção não é motivo de preocupação, mas e no caso de ser constada a impotência sexual? O que deve ser feito? O sexo é de extrema importância na vida do homem, então, é natural que a falta de ereção, ocasional ou frequente, mexa com suas estruturas emocionais e em uma primeira reação, ele tenda a “se esconder” e não enfrentar o problema de frente, contudo, é imprescindível que uma vez recuperado do susto ele procure ajuda médica, pois a impotência tem tratamento.

Nada de vergonha na hora de conversar com o andrologista (a versão masculina da ginecologista). Nenhum detalhe deve deixar de ser dito e não minta na conta de falta de ereções, o médico não está ali para julgar seu desempenho sexual como um amigo em mesa de bar ou mulher sedenta de desejo. O papel dele é descobrir as causas e tratar o problema. Tenha isso em mente e a consulta fluirá de forma leve e segura.

O médico irá realizar exames físicos completos e exames de laboratórios, só assim poderá indicar o tratamento ideal, que pode implicar em uso de medicamentos orais (como Viagra e afins), injeções de prostaglandina ou implante de prótese peniana. Além dos resultados dos exames alguns fatores pessoais do paciente serão considerados, como idade, estado geral de saúde, funções circulatórias e quantidade de parceiros sexuais.


- Medicamentos orais: Atuam no controle do fluxo sanguíneo no pênis permitindo que a ereção aconteça e tenha duração suficiente para a relação sexual. Vale lembrar que só causam efeito sob estímulo sexual.

- Injeção de Prostalglandina: Assim como os medicamentos orais, atua no fluxo sanguíneo. A aplicação indolor e tem efeito rápido (2 a 3 minutos) e confiável, com duração de cerca de 01 a 02 horas com custo acessível.

- Prótese Peniana: As próteses penianas são principalmente indicadas para casos de causas orgânicas mais sérias, como diabetes e doença de Peyronie. A cirurgia de implante de prótese peniana é realizada há mais de 3 décadas e apresenta resultados de satisfação em índices elevados de 80 a 90% dos casos.

A prótese funciona como “esqueleto” novo no pênis, sendo implantada dentro dos corpos cavernosos gerando ereções normais como se o homem nunca tivesse tido problemas e impotência sexual. Há diversos tipos de próteses, sendo a mais procurada a do tipo maleável por causar mais conforto ao usuário. A cirurgia é simples feita inclusive com anestesia local e duração de 01 hora. O paciente estará liberado para atividades sexuais 30 dias após a cirurgia seguindo as recomendações médicas.

Bem, diante de qualquer sintoma, procure logo o médico e não tenha vergonha de enfrentar esse problema. Afinal, é importante se sentir de bem com a vida e com seu corpo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário