quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

DESTINO: As duas faces do Japão - Uma viagem entre o moderno e o tradicional

É difícil descrever em algumas páginas como o Japão foi parar no topo da minha lista de destinos que já tem mais de 80 países. Tive o privilégio de viajar ao Japão em três ocasiões e cada vez, me encanto mais com o país e sua cultura. Um roteiro básico de dez dias incluindo Tóquio e Quioto já é uma belíssima experiência, contrapondo dois pontos da cultura japonesa que caminham juntos: o moderno e o tradicional.

Em Tóquio desista da missão de conhecer todos os bairros interessantes. A cidade é gigante, e apesar da extensa linha de metrô capaz de te levar para qualquer canto dela, vale a pena escolher alguns bairros e explorá-los com calma caminhando pelas ruas e parando para provar a deliciosa culinária local. Em poucas cidades comi tão bem quanto em Tóquio, e não precisa ser apaixonado por sushis para curtir a comida local. A culinária japonesa vai muito além do sushi, sashimi e yakisoba. Sempre que visito o Japão, provo algo novo e delicioso. O grande barato de Tóquio é deixar de lado os guias e se aventurar pelos restaurantes conforme a sua frequência. Em todo o restaurante que você entrar será calorosamente recebido com um sonoro irasshaimase (bem-vindo). Receber bem o turista faz parte da cultura local e mesmo na frenética Tóquio, espere ser recebido sempre com simpatia e sorrisos.

Apesar de ter uma infinidade de bairros com características diferentes existe uma diferença grande entre o leste de Tóquio mais tradicional e o Oeste moderno e mais dinâmico. Escolher uma amostra de bairros em cada lado da cidade é a melhor forma de curtir a Tóquio. Vale amanhecer no mercado de peixe de Tsukiji e à tarde, caminhar pelas ruas elegantes de Aoyama, centro da moda da capital. Tsukiji é o principal mercado que fornece peixes e frutos do mar para os restaurantes de Tóquio. Aqui acontecem os famosos leilões de atum na madrugada. A melhor pedida é chegar depois das 9:00 da manhã quando todo o mercado é aberto para os turistas. Depois de uma visita prepare-se para comer o melhor sushi de sua vida em um dos pequenos restaurantes do mercado. Aoyama é a versão mais fashion da cidade. Aqui mesmo, em um dia quente de verão, enquanto eu derretia no sol, as japonesas caminhavam pelas ruas impecáveis como em um desfile de moda. O bairro vale também para apreciar a arquitetura moderna dos prédios e ruas.


Também rende um dia interessante caminhar pelas ruelas históricas de Yanaka, visitando seus templos budistas e à noite, ir a Akihabara, a cidade eletrônica de Tóquio e paraíso dos aficionados em games. As ruas de Yanaka dão a melhor visão de como é a vida no interior do Japão, sem sair de Tóquio. Aqui reina a tranquilidade e o bairro tem alguns dos mais bem preservados casarões históricos da cidade. Em Akihabara, o barato é chegar de noite quando as luzes e telas gigantes, exibindo os heróis de games japoneses dão ao bairro um tom surreal. Nas ruas, é comum ver garotas fantasiadas de heroínas de Mangái apresentando os cardápios de restaurantes temáticos. Não se assuste se cruzar na rua com o Jiraya.

Começar um dia meditando no grande templo de Senso-Ji em Akusabashi e, depois, enfiar o pé na jaca nos bares e baladas de Shibuya e Ropongi faz parte da experiência de Tóquio. Akusabashi é um dos bairros mais tradicionais de Tóquio e uma visita ao templo de manhã, é uma excelente oportunidade para experimentar um lado mais espiritual da cidade. No outro extremo de Tóquio, Shibuya e Ropongi são os melhores bairros para curtir a divertida noite de Tóquio. Shibuya é o centro da cultura jovem e o visual dos telões gigantes na saída da estação já vale a visita. Subindo morro acima existe uma centena de bares, casas noturnas e karaokês. Ropongi é o local ideal para pular de bar em bar até os trens voltarem a funcionar no dia seguinte. Muitos são mistura de bar e casa noturna com música ao vivo e Djs. Excelente local para fazer novos amigos.


De Tóquio, é fácil chegar a Quioto usando o trem bala. Apesar de estar a mais de 500 km da capital, é possível chegar em Quioto em duas horas e meia. Nem pense em fazer um bate e volta para conhecer Quioto em um dia. Seria um sacrilégio. Com pouco tempo, vale passar o dia em Kamakura, que oferece uma experiência do Japão tradicional em seus templos milenares em menor escala e próximo a Tóquio. Para curtir e entender o espirito de Quioto, é preciso desacelerar e conhecer seus belos bairros de periferia aos pés das montanhas que cercam a cidade com calma. Sugiro passar de quatro a seis noites na cidade. Quioto tem um patrimônio histórico riquíssimo e andar pelas ruas de seus bairros antigos é mergulhar em um Japão tradicional e encantador. Aqui, nos víamos passando horas em um mesmo templo ou caminhando por belos jardins japoneses.


Os bairros de Higashiyama Sul e Norte têm algumas das principais atrações da cidade. Vale a pena explorar os dois em dias diferentes, combinando alguns dos principais templos com outros menos visitados e mais tranquilos, onde é possível apreciar a paz e a tranquilidade desses santuários budistas. Qualquer que seja o seu itinerário não deixe de ir até Arashiyama. A sensação aqui é de ter saído completamente da cidade para um vilarejo rural. Além dos belos templos e parques com trilhas, Arashiyama tem a espetacular floresta de bambus. É difícil captar a magia do lugar em fotos, mas esse é um dos locais mais especiais de Quioto. Para provar a culinária local, uma manhã no mercado de Nishiki faz a alegria dos bons de garfo. Prove o espeto de polvo recheado com ovo de codorna e finalize a manhã de degustações com um sorvete de chá verde.


Apesar da distância, uma visita ao Japão vale todas as horas de voo do Brasil. O país tem outros atrativos como a frenética cidade de Osaka e a pacata Nara, todas a menos de uma hora de Quioto. Qualquer que seja o seu roteiro, a chance é grande de se apaixonar pelo Japão. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário