terça-feira, 5 de maio de 2015

BEBIDA: A origem, a fama e os tipos de Whisky Escocês

Consumido em todo o mundo, são nos Emirados Árabes que o Scotch Whisky tem maior força e no Brasil é o Estado de Pernambuco que mais consome a bebida per capta. Uma bebida que tem anos de história, pode ser consumida por jovens e adultos e anda sendo usada como base para drinks, mesmo sendo isso considerado um sacrilégio para os mais puristas. Através de entrevista com o especialista Eduardo Rotella, autor do livro Whisky Book – manual básico do scotch whisky, preparamos uma matéria especial sobre a bebida. Está servido, caro leitor?

A ORIGEM E A FAMA DO ESCOCÊS

A origem do whisky remonta  o início do processo de destilação em si, prática aliás. Descoberta e bastante utilizada pelos monges budistas para o processo de fabricação de perfumes. A partir daí a bebida é criada e difundida. Países como Irlanda e Índia reivindicam a “paternidade” da bebida. Segundo os indianos eles já produziam o whisky há cerca de 800 anos a.C., já os irlandeses dizem que o padroeiro do País, ST. Patrick, nos anos 400 fabricava uma bebida com os mesmos ingredientes do que conhecemos como whisky. 

As lendas são muitas, mas a de São Patrick tem força por conta de documentos sobre destilação que remontam ao século XV que descrevem a venda de 500kg de malta para um frade de nome John Corr para produção de aqua vitae ( ver etmologia abaixo). Esse registro liga a produção do whisky aos monastérios que usavam licor produzido com ervas e especiarias para fins medicinais. Entre os séculos XVII e XVIII e até 1820 a destilação era um processo doméstico e os habitantes produziam sua própria bebida em alambiques privados em suas granjas rurais. A cevada que sobrava alimentava o gado e o whisky em si acabava se tornando também uma importante “moeda” de troca.


No sentido etmológico a palavra Whisky vem de "uisge", forma abreviada do termo gaélico "uisge beatha" ou "aqua vitae" (água da vida/eau de vie/water of life). O que acaba tendo relação direta com esta bebida que alegra, relaxa e socializa, concorda? Apesar de consumido e produzido em várias partes do mundo, é o whisky escocês o de maior fama e credibilidade. Isso se deve sobretudo ao tempo e experiência no processo de destilação, já que o primeiro registro desse processo utilizando a cevada na Escócia data de 1494, muito antes de outros lugares. 

Mas não é só a experiência, o cenário escocês também é bastante propício para a fabricação da bebida: o clima, a geologia, as fontes de águas puras e propriedades exclusivas, a qualidade da cevada e principalmente por uma pequena flor presente no nordeste da ilha, em uma região chamada Speyside. Esta pequena flor de nome Urze ou Heather empresta seu aroma floral e frutado a metade dos whiskies produzidos na Escócia.

A força e a tradição da Escócia na produção de Whisky é tão grande que só se pode colocar no rótulo a denominação Scotch quando a bebida é fabricada exclusivamente no país. Nenhuma destilaria do mundo pode se utilizar deste nome, mesmo que importe o malte da Escócia. Por isso caro leitor, nem tudo o que você chama de Scotch o é de fato. 

O whisky escocês leva 3 ingredientes na sua composição, mais um especial: 

- Cereais (principalmente a cevada, onde a Escócia se destaca como o maior produtor mundial do grão;
- Água;
- Levedura;
- Turfa, e talvez aqui esteja o grande segredo. A turfa é uma espécie de carvão vegetal, queimada nos fornos para secagem dos grãos de cevada. Como a Turfa queima produzindo fumaça, é nesta fase que se consegue adicionar notas de defumação ao grão e ao futuro destilado.



Lowlands
Nas terras baixas ao sul da Escócia é onde se produzem os single malts mais leves e suaves. De sabor adocicado, agrada inclusive ao paladar feminino. As lowlands possuem três destilarias. Características do whisky: delicado - leve - doce

Campbeltown
Por estarem próximas do mar, as turfas dessa região recebem muita influência do fenol e iodo provenientes das brisas marinhas. Características do whisky: é forte e encorpado, mas de sabor generoso e atraente. Atualmente, tem duas destilarias, mas antes da guerra chegou a possuir cerca de 30.

Islay
É uma bonita ilha da costa oeste da Escócia, que produz um whisky com estilo e personalidade diferenciados. Ao provar o whisky de Islay - pronuncia-se "Aila” - , não existe meio-termo: ou se detesta ou se apaixona por ele. Todo legítimo blended whisky escocês possui em sua composição o single malt proveniente da Ilha de Slay. A Ilha de Islay possui cinco mil habitantes e oito destilarias. Dá uma média de uma destilaria para 625 pessoas. O Malt Whisky em Islay possui características excepcionais e é facilmente identificável. O aroma defumado torna-o seco e tão forte que muitos apreciadores afirmam que sentem o sabor de iodo das algas marinhas. É a única ilha da Escócia que se orgulha de produzir um tipo de whisky que leva seu nome. Seus whiskys são conhecidos simplesmente por Islay Single Malt. Características do whisky: salgado - defumado – medicinal

Highlands
O whisky das terras altas, ao norte da Escócia é o mais reverenciado e conhecido em todo o mundo. É a maior região produtora de whisky escocês e onde se mistura e engarrafa. Romântico, suave, frutado, admirável e glorioso. Essas são algumas das expressões dos especialistas em relação ao whisky produzido nas Highlands. Muitas destilarias exibem em seus rótulos a classificação "Highland Malt Whisky". Isso serve para reforçar a excelência de um produto fabricado nessas terras abençoadas pela natureza. Características do whisky: frutado - temperado - aromático

Speyside
Também localizada nas terras altas a nordeste da Escócia, essa região é abastecida pelo Rio Spey e seus oito afluentes. Abriga enorme quantidade de destilarias ao redor de quatro principais cidades: Rothes, Dufftown, Elglin e Keith. Região famosa por produzir os melhores maltes da Escócia. 50% das destilarias da Escócia concentram-se nesta região. Características do Whisky: perfumado - frutado – floral.

Histórias à parte, umas das preocupações de quem toma whisky é saber sobre sua qualidade e procedência. Neste sentido não há regras muito rígidas, mas algumas dicas:


COMBINAÇÕES E ACOMPANHAMENTOS



Para Eduardo Rottela, embaixador do whisky Chivas no Brasil, quanto mais velho for o whisky menos misturas são permitidas para que o sabor não seja alterado. As diluições que não alteram o sabor de um whisky mais maduro são água  natural ou no máximo 3 pedras de gelo.

Água de coco, energéticos e refrigerantes chegam a alterar o sabor e por isso são considerados praticamente um sacrilégio por Eduardo Rottela, “Se vc pensar que uma pessoa cuidou do sabor complexo e rico de um whisky por 18, 25 ou mais anos, e que num único segundo, esse equilíbrio pode ser totalmente quebrado pela adição de algo com sabor tão artificial como um energético, é fácil concluir que não é bom”. Ainda segundo Eduardo, apesar das dicas e cuidados para não alterar o sabor, o que vale mesmo é ter prazer na degustação da bebida, então se o prazer vem com misturas, que se misture e se curta. 

E o que cai bem para ser servido com whisky? Para petiscar as melhores opções são as castanhas de todos os tipos, como a do Pará, de caju, nozes, amêndoas, avelãs, amendoins, entre outras; frutas secas, queijos mais duros, como grana padano e parmesão, alguns tipos de chocolate e trufas meio amargas. Em caso de refeição o ideal são whiskies 18 anos ou mais por serem mais ricos em aromas e sabor e terem baixa sensação alcoólica, permitindo uma melhor degustação da comida. Carnes e peixes defumados harmonizam bem.

O PERFIL DE QUEM BEBE WHISKY

A ideia comum é que whisky é bebida para homens já no auges dos seus 40 anos, certo? Só que não é por aí, há Scotch whisky para diversos públicos. Whiskies mais novos (Standard de até 8 anos) são mais agressivos e alcoólicos e também mais baratos e acessíveis, portanto mais consumido por jovens. Já os mais envelhecidos repletos de sabor e aroma, são consumidos por adultos, não só pelo poder aquisitivo, mas por terem o paladar mais apurado.

Mas não é só o preço e a idade que indicam sobre a idade ou personalidade de quem bebe whisky, a forma como ele é apresentado também. Mulheres preferem beber em taças, por serem mais leves deixam a pessoa mais à vontade em uma festa, já o copo baixo, por ser largo e pesado exige mais firmeza para segurá-lo, por exemplo. Não há regras, mas o ritual da degustação pode falar muito sobre quem bebe. E como quem bebe gosta de ter em casa para momentos de relaxamento ou para receber amigos é importante lembrar que whiky não gosta de luz, principalmente a solar, por isso você deve guardar seus melhores whiskies dentro de seus cartuchos, pois resistem a temperaturas altas e baixas e quanto a posição, a garrafa pode ser armazenada em qualquer posição: deitada, em pé, de lado ou até de ponta-cabeça.



Acompanhe a MENSCH nas redes sociais: @RevMensch

Nenhum comentário:

Postar um comentário