segunda-feira, 1 de setembro de 2014

AÇÃO: As possibilidade de práticas esportivas não deixam ninguém ficar parado em Noronha

É verdade que a maioria das pessoas que aporta em Fernando de Noronha quer descansar, por os pés para cima e curtir uma merecida preguiça nas praias da paradisíaca ilha brasileira. Mas será que há espaço para também se movimentarem, suarem e ficar cansadas no final? Certamente! Fernando de Noronha é também rica em práticas esportivas, e “ficar parado” não é tudo o que você vai querer fazer por lá.

Mas qual seria o maior atrativo que se tem ao fazer algum esporte em Fernando de Noronha? Sem dúvida, a resposta a essa pergunta é o próprio local. A ilha é um convite a prática do esporte ao ar livre, com suas exuberantes paisagens e locais para esporte em água e em terra. Cá entre nós, não é todo dia que temos a oportunidade de mexer com o corpo de forma saudável apreciando um mar azul cristalino, uma mata intocada e um calorão tropical convidativo. Sem falar que os esportes na água são um convite à refrescância. É isso o que Fernando de Noronha oferece aos praticantes de esportes — locais e turistas — e que talvez nenhum outro lugar se iguale.

A água, sem dúvida, domina a prática desportiva no local. Afinal, ela está por todos os lados e poucos locais no mundo oferecem as condições que se tem para mergulho, surf, snorkeling e outras tantas modalidades. A vida aquática esportiva é muito movimentada e não há turista que não chegue querendo viver essa experiência. Por todo o perímetro da ilha é possível encontrar locais para mergulho, desde aqueles específicos para iniciantes (o batismo, como é chamado), até os avançados, para aqueles mergulhadores apaixonados que querem viver toda a experiência que o mar tem a oferecer.


A visibilidade geral das águas é em torno de 50 metros, o que amplia bastante a interação do mergulhador com o ambiente e ajuda a conhecer e observar a vida e diversidade marinha. Golfinhos, tartarugas, barracudas e corais fazem a festa dos mergulhadores, mas não são os únicos atrativos. O arquipélago possui 22 pontos de mergulho, com profundidade e visibilidade distintas, o que torna o circuito bem dinâmico. É possível, por exemplo, mergulhar entre os navios naufragados ao redor da ilha, como o da corveta Ipiranga, no fundo do mar desde 1983, e o navio grego Eleane Stathatos, além de diversos outros cenários do mundo subaquático, tal como grutas submersas, formações rochosas e de corais. 

Mas se lhe falta vontade (ou mesmo coragem) de montar um equipamento com cilindro, máscara e colete, há formas mais simples de se aproveitar o mergulho. O snorkel é uma delas. Com uma máscara no rosto, um respirador e um par de nadadeiras, é possível também estar integrado a esse ambiente de águas transparentes e vida abundante. Fernando de Noronha possui várias piscinas naturais, que são ideais para observar a vida marinha, como nas praias de Atalaia, Sueste e Baía do Sancho. É só “colocar a cara na água”, bater os pés e respirar fundo (com cuidado para não perder o fôlego com a vista, ok?) e aproveitar tudo o que a experiência tem a oferecer. 

Outra modalidade de mergulho em alta e bastante procurada é o planasub, uma espécie de reboque subaquático, que foi inventado na própria Ilha. Nesse esporte, você é rebocado em baixo d’água enquanto se segura em uma prancha hidrodinâmica que lhe dá a sensação de movimentos dos animais marinhos além de ser possível fazer manobras radicais. Como o mergulho, em todas as suas modalidades, é um esporte altamente especializado, é muito importante estar acompanhado de profissionais. E isso Noronha tem. São diversas empresas oferecendo atividades de mergulho autônomo, com cilindro e de snorkel. Equipamentos apropriados e instruções são algo que você não pode desconsiderar. 

DO FUNDO DO MAR PARA O ESPELHO D’ÁGUA

Nem tudo o que se aproveita no mar de Fernando de Noronha está na parte de baixo. Se há aqueles que fazem questão de estarem no fundo, mergulhando, outros preferem curtir o azul do Atlântico em embarcações, caiaques e pranchas. A ilha é também o paraíso de velejadores e surfistas, sejam amadores ou profissionais. Todos os anos, eventos nacionais e internacionais agitam as águas do arquipélago, mas há também espaço para os que apenas curtem aproveitar o vento, o mar e as ondas.

O Arquipélago é anualmente linha de chegada da Refeno, a regata oceânica Recife–Fernando de Noronha, a maior do país no estilo. Dezenas de marinheiros de todo o mundo trazem seus barcos para o Marco Zero do Recife e zarpam em direção à ilha, singrando 300 milhas náuticas pela costa brasileira. O vencedor geral recebe o título de Fita Azul, e os vencedores de várias categorias são premiados, com todos participando da festa. Até o penúltimo colocado recebe honras, o troféu Tamar, de tartaruga marinha. É muito mais uma festa do que uma competição em si, e ao que parece a premiação na chegada é para todos: a vista paradisíaca de Fernando de Noronha. Os amantes das embarcações, sejam a motor ou a vela, têm em Noronha um destino top para curtirem seu esporte. E para os que desejam apenas desfrutar da experiência, já é possível ter seu dia de marinheiro, a bordo de veleiros que passam dois dias no mar aberto em direção à ilha, com você como tripulante.

Surfistas e canoeiros dividem esse mesmo espaço. Os primeiros são antigos “habitantes” da ilha, que oferecem a eles ondas desafiantes. Antes de ser o paraíso dos turistas, Noronha já era o paraíso dos surfistas. Tanto que o local foi descoberto pelos profissionais de surf, que lá já montaram etapas do WQS, a classificatória do circuito mundial de surf, no Hang-Loose Pro Contest. Se os velejadores preferem ventos fortes e correntes, com um mar tranquilo de se navegar, os surfistas gostam do mar agitado, com ondas grandes. De novembro a maio, a ilha é rota dos surfistas, que aproveitam as ondas tubulares que arrebentam nas praias da Cacimba do Padre e Boldró. Elas são filhas do Swell, um fenômeno natural que potencializa as ondas na ilha e trazem alvoroço aos surfistas, transformando a ilha no “Havaí Brasileiro”. Mas se o surf é um esporte para iniciados, que conseguem ficar de pé na prancha, o caiaque pode ser mais acessível. Na ilha é possível fazer uma rota pelo mar, em um caiaque duplo, acompanho por guias. A rota segue do porto até a Cacimba do Padre e, no meio do caminho, um mergulho de snorkel na praia da Conceição. Como o corpo tem um limite, a volta é a reboque, com um barco a motor a partir do morro Dois Irmãos. É só relaxar, descansar os braços e aproveitar as paisagens.

NEM TANTO AO MAR

Se estamos numa ilha, os esportes se restringem ao mar, certo? Nem tanto. Fernando de Noronha pode até ser famosa pelo mergulho e o surf, mas há ainda muita atividade em terra, e você vai se surpreender.

Se o mar é o grande atrativo da ilha, a terra não fica muito atrás. Fernando de Noronha pode não ser grande, mas tem diversidade suficiente para você escolher até dez trilhas diferentes para viver a sua aventura, todas elas terminando em praias e mirantes. No meio das caminhadas, é possível ver locais de naufrágios, matas selvagens e espécies marinhas em vida natural. Para tudo isso, é necessário respeitar épocas do ano e os movimentos das marés, já que as trilhas são totalmente integradas à natureza. Mas para os desavisados, nem tudo são facilidades. Algumas trilhas são verdadeiras aulas de superação, passando por lugares íngremes e desafiadores, tornando tudo mais sensacional. Algumas trilhas podem ser feitas também de bicicleta, numa espécie de mountainbike insular, já que os trajetos são de fato acidentados. A pé ou pedalando, o importante é aproveitar a aventura de se jogar numa das paisagens naturais mais bonitas do Brasil.


Um dos esportes que mais crescem no Brasil, o pedestrianismo, também tem seus representantes na ilha. Já na terceira edição, a Corrida de Rua Renê Jerônimo (corredor noronhense de 73 anos) parece ter entrado no calendário do arquipélago. Reunindo mais de 300 pessoas de nove estados e até estrangeiros, ela tem como palco a BR-363 e é dividida em dois trajetos, de 14 km e 5 km. Além de ser aberta ao público, a corrida também é um grande evento de divulgação da ilha. Outro esporte que não poderia deixar de ser praticado é a paixão nacional, o futebol. Anualmente, é disputado o Campeonato Noronhense de Futebol, que reúne times amadores da ilha. Amadores, mas não descompromissados. O torneio conta com cinco equipes locais que batalham pelo troféu de campeão. Apoio não falta desde a Federação Pernambucana de Futebol ao empresariado local, todos trabalham em prol do desenvolvimento do esporte na ilha.

Seja qual for a sua prática desportiva, cuidados são fundamentais. O ar livre pede sempre protetor solar e muita água para se manter hidratado e firme para as aventuras. E, claro, sempre ouvir e seguir as instruções de segurança, elas estão lá para ajudar, não atrapalhar. Não importa o esporte que você escolha, não importa se é em terra ou no mar. Você vai se divertir e se cansar, mas está no melhor lugar do mundo para recarregar as energias. Aproveite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário