quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

MUSA: Anna Sarah, a DJ mais gata desse verão arrasa nas pick-ups

Das poses para as pistas e Anna Sarah é presença obrigatória na melhores baladas. A ex-modelo começou na carreira de DJ por hobby e agora brilha ao som do House colocando todo mundo pra dançar, curtir e celebrar a vida. Dotada de beleza e sensualidade, sabe manter distância dos mais ousados sem perder a pose ou simpatia. O coração já tem dono e foi conquistado com graça e inteligência. Além da música, praia e viagens estão nas preferências da nossa "Garota do Lado". Puro luxo e fantasia em um ensaio que é música para os olhos.

De modelo a DJ. Como se deu essa transição? Foi por acaso… Meu namorado estava fazendo um curso para DJs, com o objetivo de se aprofundar um pouco mais na música eletrônica, pois ele é produtor de eventos nessa área. Então, um dia fui com ele ao curso e me chamaram pra fazer uma espécie de teste, onde me saí bem. Fiquei super animada porque os profissionais disseram que eu tinha um “ouvido bom”, então passei a ir mais vezes com ele, ia por hobby mesmo, acompanhando-o, depois, ele deixou de ir e eu continuei… Passei um ano indo quase todos os dias, inclusive aos sábados, fiquei completamente viciada em música eletrônica.

No começo da carreira já tinha claro que se dedicaria ao estilo House ou foi descobrindo aos poucos? O house tem várias vertentes… Eu sabia de cara que esse era o meu estilo, o que eu fui descobrindo aos poucos foi a vertente a qual eu me dedicaria. Quando comecei, me identifiquei com o Deep House, que é um som mais calmo, mais fino… Mas quando entrei no mercado, senti que não funcionava muito (pelo menos em Recife não), então senti uma necessidade de tocar músicas mais comerciais e agitadas, foi então que parti pra um Progressive House e Electro House, que é um som bem mais acelerado, com muitos elementos, mais “sujo”, digamos assim… Mas ainda hoje pesquiso e uso todo tipo de house… Toco em eventos muito diferenciados, uso o Deep e o Tech em eventos mais fechados, de moda, em lojas, coquetéis ou pra um Warm Up mesmo e uso o Progressive e o Electro na balada e em eventos de música eletrônica. Mas não saio do House.



Sua profissão te coloca nas melhores baladas e você sendo tão bonita deve ser bem assediada, não é? Como lida com isso? Engraçado que eu sou muito menos assediada quando vou pra balada trabalhar do que quando vou curtir… Parece que os homens tem medo de chegar… Quando estou tocando, rola uma abordagem, mas tudo com muito respeito. Os meninos vão à frente da cabine/palco, fazem coraçãozinho, mandam bilhetes, tudo sempre muito carinhoso, os mais “espertos” me abordam querendo me contratar (risos) enfim… Graças a Deus, até agora nunca fui abordada de forma grosseira, só acontece de o cara ser inconveniente quando ele está muito bêbado, mas aí os seguranças dão conta do recado… 

O que um homem precisa ter/ser para ser interessante? Ahh precisa ser inteligente, engraçado, educado, atencioso… Precisa ser como o meu noivo é! (risos) 



Na hora da paquera, se preciso você é de tomar a iniciativa? (risos) Isso nunca aconteceu, na verdade eu não costumo me interessar por quem não se interessa por mim… Mas eu acho que eu tomaria a iniciativa sim, se o cara fosse muito devagar e eu estivesse muito interessada… Porque não?

Conquistou seu namorado em uma pista de dança? (risos) Não! Nós já nos conhecíamos há algum tempo, mas segundo ele, o conquistei na academia… Eu nem trabalhava como DJ ainda!

Que tipo de elogios você mais gosta de ouvir? Qualquer um é muito bem vindo (risos), mas, por incrível que pareça eu gosto de ouvir TAMBÉM os que não estejam relacionados à beleza, me sinto bem em ouvir elogios à minha pessoa (interiormente falando), ao meu trabalho. Pois até pouco tempo atrás, como eu trabalhava como modelo, qualquer elogio ao meu trabalho era também relacionado à beleza, então, pra variar, é bom ouvir algo diferente… 

Como escolhe o setlist das festas que participa? Escolho de acordo com o perfil da festa, o horário em que vou me apresentar, quem toca antes, quem toca depois também influencia na escolha das músicas… Mas no meu setlist sempre vai ter um house conhecido que está bombando ou algum remix atual de algum clássico do rock, não gosto apenas de música instrumental, “bate estaca”… Gosto de vocal, músicas que as pessoas cantem e que mexam com elas sentimentalmente.


Como cuida do corpo e da mente para enfrentar dias e noites de festa? Quais seus rituais de vaidade? Eu faço musculação com o acompanhamento de um personal trainer cinco dias por semana, tenho uma boa alimentação, procuro dormir bem, cuido da pele, não fumo, não durmo maquiada, bebo muita água… Nada demais.

Em que lugar do mundo sonha em colocar a galera para dançar? Acho que qualquer país da Europa seria incrível por ser o berço da música eletrônica, mas Ibiza em especial seria um sonho. Ibiza é a capital mundial da balada, não tenho dúvidas de que é o destino preferido dos amantes da música eletrônica de todas as partes do mundo.

Quando não está no comando das baladas, o que curte fazer pra se divertir e pra descansar? Amo praia, cinema, bons restaurantes, ouvir música (obviamente), viajar, não vivo sem internet! Enfim… Também adoro ficar em casa de bobeira vendo um bom filme e comendo besteiras…






Assista o making of exclusivo com Anna Sarah:


+FOTOS Inéditas em nossa edição impressa.

Acompanhe a MENSCH no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no Face e Instagram: RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

Nenhum comentário:

Postar um comentário