terça-feira, 22 de janeiro de 2013

CARRO: Fusca, de material bélico à paixão mundial‏

Nem só de carrões importados de grandes montadoras se viva a MENSCH. Falar de carros clássicos que fizeram história no mundo automobilístico também faz parte da nossa história. Pensando nisso fomos atrás de um dos carros mais populares (e democráticos) do Brasil, o bom e velho Fusca. E para falar desse curioso carro, precisamos voltar um pouco no tempo e contar um pouco de história...

Em 1950 o Brasil recebeu aquele que seria por décadas a paixão nacional no que se refere ao automobilismo. Até 1959 era um carro importado, vindo da Alemanha, a partir daí passou a ser produzido em território nacional e lhe caiu também a naturalização que há quem pense até hoje que ele já nasceu tupiniquim. Em 1986 a fabricação do fusca foi cancelada e somente em 1993 foi retomada, fazendo a felicidade dos nostálgicos. Felicidade essa que durou até 1996 quando o fusca deixou de ser fabricado de vez.


Esse carro que mais parece uma joaninha parou de ser fabricado, mas nunca deixou de ser amado e por conta dessa paixão vários clubes do Fusca foram fundados em todo o Brasil e os encontros são constantes. O Dia Nacional do Fusca é celebrado no dia 20 de janeiro, data de início de sua fabricação em terras brasileiras. E antes de se tornar uma paixão o Fusca foi usado como ferramenta bélica. Não sabia? Então vamos conhecer um pouco da história desse carro.

O CARRO

Em abril de 1930, o gênio judeu Josef Ganz fechou contrato com uma fabricante automotiva chamada Ardie, que se interessou pelo conceito de um carro leve, econômico, barato e que pudesse transportar duas ou três pessoas. Nascia a ideia do carro do povo, originando a marca VOLKSWAGEM, onde “volks” em alemão significa povo e “wagen” carro.

Nesta época, Hitler em meio àquela que foi a maior crise econômica no seu país, viu na idéia do judeu a possibilidade de modernizar a Alemanha e usou o “carro do povo” como forma de propaganda e autopromoção. Em meados de 1938, Adolf Hitler lançou a pedra fundamental da maior fábrica de automóveis da Europa, na cidade de Wolfsburg, conhecida na época como Fallersleben. Devido sua refrigeração a ar, o FUSCA foi uma excelente ferramenta bélica na Segunda Guerra Mundial, pois, como dizia o comandante nazista Erwin Rommel, “No deserto o fusca passa onde camelo mal consegue andar”.

 

A PAIXÃO

Acumulando fãs por todo o mundo e de geração em geração, domingo passado, dia 20 de janeiro de 2013, ocorreu o Dia Nacional do Fusca. Todos os estados brasileiros comemoraram o dia em epígrafe e Pernambuco não podia deixar de prestigiar o dia do carro mais conhecido do planeta. O encontro no estacionamento do Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, onde participaram vários clubes de antigomobilismo da região, como o Clube do Fusca de Pernambuco, Clube Amigos do Sábado, Clube Cangaceiros, Clube do Fusca de Igarassu, dentre outros.
Uma multidão de apaixonados participou daquela que foi uma tarde de confraternização e encontro de gerações para celebrar uma paixão comum: O ANTIGOMOBILISMO, que tem como personagem principal e conhecido mundialmente o FUSCA. Ao todo foram mais de 100 carros expostos e uma movimentação de mais de 1000 pessoas por todo o dia

OS CLUBES

No estado Pernambucano, mais precisamente na capital Recife, semanalmente ocorrem 4 encontros de antigomobilismo. Nas terças ocorre um encontro promovido pelo Clube do Fusca de Pernambuco, em frente ao 3° Jardim em Boa viagem. Nas quartas ocorre um encontro promovido pelo CAAPE (Clube de Automóveis Antigos de Pernambuco), em sua própria sede que fica no bairro do Cordeiro. Nas quintas ocorre um encontro mais informal, onde não há a promoção direta por nenhum clube, todavia vão várias tribos e amantes do antigomobilismo à Praça de Casa Forte. E aos sábados ocorre um encontro no estacionamento do Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, com o grupo chamado Amigos do Sábado.

Após alguns encontros descompromissados de amantes do fusca, em meados de 1999 nasceu o Clube do Fusca de Pernambuco, o qual continua com a tradição dos encontros semanais em Boa Viagem. É bonito de ver o quão integrador é este hobby, no qual várias gerações participam e nunca falta assunto... Interesse e paixão.

 

Saindo do âmbito local para o regional, todos os anos ocorre um encontro com todos os clubes de antigomobilismo da região Nordeste, cada estado recebendo um encontro por vez. De 15 à 17 de novembro deste ano, em Gravatá, será a vez de Pernambuco receber a nona edição deste tipo de evento. Alí ocorrerá a IX ENEVA (Encontro Nordeste de Veículos Antigos) e aproveitará para sediar também o X ENCONTRO PERNAMBUCANO DE VEÍCULOS ANTIGOS. Segundo Paulo Marcelo Bompastor, empresário de 56 anos e ex-diretor social do Clube do Fusca de Pernambuco, fusca e antigomobilismo resumem-se em uma única palavra: PAIXÃO.


Acompanhe a MENSCH no Twitter: @RevMensch, curta nossa página no Face: RevMensch e baixe no iPad, é grátis: http://goo.gl/Ta1Qb

11 comentários:

  1. Pense num negão feliz!

    Deixo aqui registrado o meu sincero agradecimento à revista MENSCH na pessoa do André Porto e Nadezhda Bezerra Batista, por mais esta oportunidade de ouro de poder mostrar meu trabalho.

    Lisonjeado, envaidecido e, principalmente, estimulado a continuar sempre!

    ResponderExcluir
  2. Ta mandando muito bem CJ, parabens!
    Abracos
    Nascimento

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado Nascimento e Claudio!

    ResponderExcluir
  4. CJ, my friend!
    Motivo de orgulho para todos nós que compartilhamos a mesma paixão: FOTOGRAFIA!
    Grande abraço e siga voando alto. Você merece!
    Abraço!
    Roos

    ResponderExcluir
  5. CArlos,
    Excelente matéria. No conteúdo, na forma literária e na fotografia. Parabéns, Paulo Bompastor

    ResponderExcluir
  6. Fui a este encontro, achei fantástico...

    ResponderExcluir
  7. Os Cangaceiros VW's de Pernambuco ficam agradecidos pelo enaltecimento do nosso amado fusquinha. Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela matéria... o Nordeste precisa disto!

    A paixão pelo Fusca é a mesma em todo o pais, mas especialmente no Sul, o apoio da mídia faz com que o movimento seja reconhecido internacionalmente. Fusca lá é "carro clássico", infelizmente aqui ainda é "carro velho", para muitos.

    ResponderExcluir
  9. Mestre Roo.

    Eu que agradeço pela paciência que sempre teve, desde os meus primeiros clicks... quando ainda perguntava sobre o que era RAW... diafragma... e por aí vai!

    Paulo Bompastor meu velho...

    Eu que agradeço também, pois sem a entrevista que fiz contigo pelo telefone, parte das palavras não seriam escritas.

    Anderson meu velho!

    Fico lisonjeado e feliz que tenha gostado!

    Idem pra você Fabio Nani.

    ResponderExcluir